MEMÓRIAS DE UM INICIADO

Um conto erótico de Spártacus
Categoria: Homossexual
Data: 02/10/2013 00:30:23
Nota 10.00

MEMÓRIAS DE UM INICIADO

Caríssima amiga:

Tu és minha confidente e por isso confio-te o relato que segue.

Está escrito que Nem só de pão vive o homem. Assim também nem só de sexo ele vive. O sexo não é tudo, sabemos disso. Há outras coisas na vida mais importantes. No entanto o sexo é uma parte preponderante, porque tem a dupla função de procriar e dar prazer às pessoas. O Sexo faz falta e agora muito mais com a descoberta e a aceitação de suas variantes opções. Por isso, gosto de fazer e de falar de sexo. Especialmente, porque um novo sentimento, que em outros tempos eu rejeitaria, está me acometendo e levando-me a buscar a sua origem.

Por se tratar de caso real, todos os personagens neste relato terão nomes fictícios. Eu Sou Fabrício, casado, pai de filhos, aposentado, com um excelente currículo profissional, especialmente no campo tecnologia industrial. Meu amigo é Mauro, dois anos mais novo do que eu, também casado, pai de filhos, comerciante de máquinas industriais.

Sexualmente sempre fui muito bem resolvido com as mulheres. Mas minha atração por parceiros do mesmo sexo aconteceu entre os 35 e 40 anos de idade, quando comecei a freqüentar o balneário do grêmio da empresa onde trabalhava na ocasião. Até então eu não havia sentido desejo de fazer sexo com homens.

Foi nesse balneário, quando a gente se trocava para ir à piscina ou à sauna, que eu comecei a reparar no sexo de meus colegas e a sentir vontade de tocar neles, de beijá-los, não em todos, é claro, mas naquele que o meu desejo elegia como o que mais me atraía sexualmente. Essa vontade nascente de pênis foi crescendo e tomando forma. Passei da vontade do toque ao desejo de tê-lo dentro de mim, imaginando as novas sensações que isso me traria sexualmente, alimentando mais ainda minha curiosidade e a minha libido.

Esse desejo continuou latejando dentro de mim, mas lutei contra ele e demorei a satisfazê-lo. Até que um dia um amigo, bom amigo dos tempos da juventude, veio da capital me visitar e fechar negócios com uma revendedora de máquinas na cidade vizinha à nossa, que ele não conhecia direito. Acompanhei-o como guia e, no final da tarde, concluída a sua visita à revendedora, fomos a uma sauna, com cabines privadas. Quando nos despimos, vi que meu amigo olhava com certa insistência para meu sexo. Também eu fazia o mesmo, olhava para o dele, um belo conjunto; um belo pênis, não muito grande, mais ou menos do tamanho do meu, repousando sobre o saco depilado, desses que inspira higiene. Antes de abrirmos o vapor, deixamos as toalhas no banco e fomos tomar uma ducha para tirar o cansaço das andanças do dia. Quando eu o vi de costas comentei:

- Cara, tens um bunda de fazer inveja a muitas mulheres!...

- A tua também não é de jogar fora, respondeu ele olhando a minha.

Aberta a válvula do vapor, sentamos juntos, nus, como saímos da ducha.

O calor aos poucos crescente do vapor em meu corpo, aqueceu também a minha libido e, acredito, a dele também. Nesse estado, eu toquei nas lembranças de nossa juventude, de nossas namoradas, inclusive de Laurice, hoje a esposa deste meu amigo, que fora também minha namorada. De repente, Mauro me olhou e perguntou, com certa tranqüilidade, referindo-se à esposa:

- Escuta, fala a verdade, vocês chegaram a transar quando namoravam?

Não percebi ciúmes na pergunta.

- Sinceramente, transamos e foi muito bom! – respondi

- É, ela me contou, mas eu pensei que ela estivesse me fazendo ciúmes...

- Não, meu caro, é verdade... Ela é muito gostosa e só não continuamos por que eu não pensava em compromisso sério e ela queria casar-se... Ai, tu apareceste.

- Pois é, meu amigo, e eu não me arrependo, - disse pondo a mão na minha coxa.

O toque leve e tépido da mão de Mauro me pôs arrepios na espinha, me causou uma excitação repentina e meu membro começou a crescer. Olhei para o membro de meu amigo, notei que também havia crescido um pouco e que ele tinha os olhos fixos no meu. Criei coragem e perguntei:

- Mauro, nunca pensaste em fazer sexo com outro homem?

- Pra ser sincero, já. Sempre tive curiosidade de saber o prazer que alguém sente quanto recebe um pênis no bunda... Mas nunca tive coragem de tentar. É o tipo de relação que a gente só deve ter com alguém de nossa restrita confiança...

- Concordo contigo. Eu também tenho essa curiosidade, mas pelas mesmas razões eu não tentei.

Ficamos um pouco em silêncio até que eu, meio sem jeito, sugeri:

- Olha, acho que somos amigos confiáveis... E por que a gente não aproveita a ocasião e experimenta agora?...

Mauro ficou um pouco em silêncio. Eu vi que o pênis dele já estava em completa ereção. Para encorajá-lo passei de leve a mão em sua coxa, ele estremeceu. Olhou para o meu membro também ereto, latejado de tesão, e perguntou:

- Mas quem seria o passivo, eu ou você?

- Os dois. Tiramos no “par-ou-ímpar” quem irá primeiro. Quem perder fica de quatro e o outro mete. Você topa?

- Topo, mas será que não vai doer, não vai machucar?

- Não, a gente passa bastante saliva...

Eu perdi. Iria ter o ensejo de experimentar no ânus, pela vez primeira vez, o desejado pênis de outro homem. Tremendo de ansiedade, me ajoelhei entre as pernas de Mauro, abocanhei-lhe o pau roxo de tesão, e me pus a lambê-lo. Meu amigo, gemendo, muito excitado, foi aos poucos abrindo as pernas, escorregando o corpo para o extremo do banco, facilitando a tarefa de minha língua que foi da glande arroxeada ao longo do pau duro até os testículos. Mauro se contorcia de prazer e em dado momento pediu:

- Deixa eu chupar seu pau também.

E aí fizemos um 69. E enquanto nos chupávamos eu lembrava que as rolas em nossas bocas naquele momento eram as mesmas que meteram na xoxota de Laurice, a esposa do amigo que estava prestes a meter em minha bunda.

Após o delicioso 69, eu me pus de quatro com o tórax apoiado no assento do banco e Mauro, veio por trás de mim, separou minhas nádegas e se pôs a acariciar meu furico, untando-o com bastante saliva. Fez isso por uns segundos e em seguida encostou a cabeça do pau na entradinha, pincelando todo o rego de cima pra baixo, até que, acertando o buraquinho, pegou-me pela cintura e empurrou seus 18 cm dentro de meu ânus. Foi realmente dolorida a penetração, mas em pouco tempo os movimentos de vai e vem da vara dele tornaram-se um prazer, uma espécie de carícia quentinha, gostosa.

Meu amigo debruçou-se em minhas costas, enquanto me comia, beijando minha nuca e com as mãos por baixo acariciando meus mamilos e meu memebro. De repente ele me segurou pelos ombros, puxando-me para trás e eu senti sua rola pulsar dentro de mim e um jato quente de esperma inundou meu ânus. Em seguida, foi a vez dele ficar de quatro. Me aproximei, abri separei-lhe as popas da bunda, ensalivei bem o furico dele e iniciei a penetração. Quando a cabeça de meu pênis deslizou pelo esfíncter, ele deu grito. Eu perguntei:

- Ta doendo muito? Quer que eu tire?

- Não, só um pouco, mas continua...

Então empurrei o restante do membro e comecei o vai e vem. O ânus de meu amigo era quentinho. Eu o peguei pela cintura, assim como fez comigo, beijei-lhe o dorso, a nuca enquanto ele soltava gemidinhos e soprava entre dentes. Depois, com as mãos por baixo dele, segurei-lhe o pau já em nova ereção, passei a mão na glande e vi que soltava o leitinho viscoso da excitação. Em dado momento ele perguntou:

- Ele está todo dentro?

- Sim! Você queria mais?

- Não, está bom, é que eu pensei que não ia agüentar todo ele dentro de mim.

Mauro levou as mãos para trás e abriu mais as nádegas, como se quisesse que eu penetrasse mais fundo... De repente ele parou de gemer e disse:

- Vou te confessar: eu sempre tive vontade de te dar minha bunda... Estou gostando da experiência... Tua rola é gostosa, bomba mais rápido, vai!

- Interessante! – disse eu acelerando o vai e vem - Eu também sempre quis te dar, sempre fui gamado na tua rola. Ao cabo de mais umas 10 ou 15 estocadas, ejaculei dentro de meu amigo, gozei gostoso. Quando retirei o pau, minha porra escorria do ânus dele, melando-lhe as coxas e os pelos do meu púbis.

Foi uma experiência que marcou pelo prazer que tivemos. Escusado dizer que nos acostumamos. Como somos seletivos nos limitamos aos encontros semanais ou quinzenais quando eu vou à capital ou ele vem ao interior. Afinal somos homens casados e responsáveis, apesar dessa ambivalência sexual.

Mas, apesar do prazer de tomar na bunda de vez em quando, eu não me conformava com essa nova tendência. Isso me encucava. Queria saber se era genética ou se teria origem em algum fato marcante em minha vida. De tanto encucar acabei por lembrar de um incidente da minha infância

Eu teria uns 13 ou 14 anos e gostava de armar arapucas para apanhar socós e rolinhas. Certa manhã eu me embrenhei no mato fechado e fui armá-las numa clareira bem próxima a um riacho. Era um dia ensolarado e quente. Decidi tomar um banho. Deixei as arapucas armadas. Estava sozinho, tirei a roupa e, pelado mesmo, pulei nas águas claras e frescas do riacho. Quando saí pra apanhar minha roupa, vi parados à minha frente três garotões mais velhos e mais fortes do que eu. Um deles disse:

- Tá nuzinho, olha só a bundinha dele... Vamos comer o cuzinho dele, turma?

Um arrepio me correu pela espinha. Pronto, pensei, vão me pegar e me arrombar. Quando deu por mim os dois mais fortes me pegaram e me puseram de quatro e ficaram me segurando pelos mãos e pelo ombros. O terceiro se aproximou, já com a rola dura, cuspiu na minha bunda e enfiou-a no meu ânus. Senti uma dor muito forte, mas o safado ejaculou logo que me penetrou. Depois vieram os outros, um de cada vez, todos me deixaram com o furico ardendo, mas o último deles foi um pouco mais gentil comigo, me pediu pra relaxar e disse que não ia doer, que ele meteria bem devagar. Desse eu guardei o nome, era o Juvenal. De fato, foi menos dolorido que os outros. A todas essas eu gritava, berrava de raiva dos garotos safados. Quando eles foram embora, viram minhas arapucas e as quebram aos pontapés. Eu não sabia, na minha inocência, que havia sido vítima de uma curra ou que fora violentado. Ninguém jamais soube desse incidente. Minha raiva, não era tanto por me haverem comido a bunda, mas por terem quebrado as minhas arapucas. Meu ânus ardeu o dia e a noite inteira, mas no dia seguinte, a ardência foi passando, não incomodou mais. Mais tarde eu me tornaria o “come quieto”, o gostosão da mulherada.

Lembro agora também de um fato que talvez tenha desencadeado esta minha inclinação pelo membro masculino. Certa ocasião me apareceu um incômodo durante a micção e eu fiz um exame de ultrassom transretal da próstata. Consiste na introdução de uma câmara de metal, roliça, de mais ou menos uns 15 cm x 5 de espessura; rigorosamente do porte de um pênis médio. O proctologista, lubrifica e introduz esse aparelho no reto da gente e fica mexendo de um lado para o outro e pra frente e pra trás, como no vai e vem de um coito anal. Quando me submeti a esse exame, não me senti incomodado, ao contrário senti prazer, foi como se estivessem acariciando o interior de meu ânus e naquele momento tive que me esforçar muito para controlar o tesão e o meu pau não me denunciar ao examinador.

Esse exame mexeu com a minha libido, exacerbou minha vontade de tomar no furico e me trouxe a remota lembrança daquele Juvenal, o último a me penetrar naquele incidente da infância.

Mas esse sentimento não diminuiu meu tesão pelas mulheres e por suas vaginas quentinhas. E devo confessar que hoje já não sei definir minha condição sexual. Não sei se sou hétero, se sou homo, ou se sou bi. uma vez que me satisfaço plena e gostosamente com uma vagina, com um ânus, e dou a bunda com o mesmo gosto e a mesma excitação, evidentemente tudo de maneira seletiva, sem promiscuidades.

No final desta semana, em que escrevo este relato, estarei na capital e pernoitarei na casa de Mauro. E o mais interessante é que ele vai viajar e eu tenho certeza de que Laurice não resistirá à minha cantada. Senti isso da última vez que lá estive. Vamos matar saudades de nossas antigas transas.

E assim, minha amiga, concluo esse relato, agradecendo-te a paciência de ouvir esta minha tentativa de explicar o porquê de meu ingresso no mundo da bivalência sexual.

Spartacus


Este conto recebeu 3 estrelas.
Incentive Francesco - Spártacus - Anderógino a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
20/02/2014 23:30:35
Muito bom, mesmo.
19/11/2013 13:36:05
Puro tesão e bem escrito.
19/11/2013 13:28:40
Simplesmente delicioso.
02/10/2013 11:59:59
Nossa muito bacana! É algo que nos faz parar e pensar! Parabéns... quando tiver a oportunidade, leia meus contos também! Obrigado! Nota 10!
02/10/2013 11:00:27
Linda narração. Adorei esta seriedade reta.
02/10/2013 02:19:59
10

Online porn video at mobile phone


maoate ganaxvideomamae sozinha em casafilme porno minha sogra me enxeu o saco ate eu come elacontos eroticos estrupei minha netinhaaAmor arrumei dotadoxvideoamigas segurando a amiga pa ser estrupada na despedida de solteiracoroas peladas meladas de margarina no cu e no corpo inteiro delasmenino de treze anos gostoso bundinha e cuzinho jeitoso contos eroticosComente aluguel xvideos.comcache:Vk2StliVkE8J:gtavicity.ru/texto/20040419 contos eroticos negao no cinema corno lambe porracomi meu melhor amigocontos de sexo depilada na praiaXVídeos padrasto batendo p****** sendo assim sendo trocados pela bocamulher e obrigada a ser penetrada por gancho pornodoidogozando no sandalha cunhada pornodoidaoconto erotico fudendo fudendo uma velha feia e fedidamulher madura e muito carente dando a xota a seu filho taradonovinha.commamano no banheiroContos eroticos.de filha ajudando paicontos eróticos comi a sogra a noitecontos eroticos esposa obrigada a fuder com agiotacontos cracudoexvidio porno mulheres que adoram pau grandecontos eiroticos leilapornleitinho do papai contos gayxvideos cangáceiras eroticasOdesafio esposa Liberada Contos Eroticos carolzinha santos e suas amigas trepano no churrascofilha pega mae fodeno com 40cm de rolanora safadas descobri que sogro tem a pica enormecontos eróticos da tia com seu sobrinho jovemdois negros de 40cm de pica em dp c a intiadatanzada com a prima de vestido curtomenino enbebada menina pra come ela no colegio xnxxxirmam fraga seu imao tocando punheta ela nao resiste do pra elechupando buseta labefo pasda mso bocsbaixar video de fode da muher maraviharcasada fiel tentando não trair,mais não resistiu quando viu a pica dura enormecontos de incesto mãe pede a filho que depois a Cona e o grelopelos nasbucetasxwwwxxvideo filhinha ta louca botacoroas peladas com o corpo melado de margarinaporno comeu a etiada que fazia pirasa so de chortinhocontos eroticos titias putas sobrinhos roludosMeninos batendo bogueti contoerotico pai quero dar leitinho pra bbzinhacontoserotecos minha mulher com bunda cheia de porracorno levou esposa pros caminhoneiros foderem contocontos louco por cunhada rabuda casada "evangelica"Contos eróticos procurando aventura no clube de camposcooby-doo chupa pomba de salsicha grátisbovinha levou varada forçacontos gay limpar a casatirinha enfiar so a cabeça no cuzinho virgemDei O Cuzinho Pros Angolanos Contos Eróticosmega trânsito caras dentro da b***** esfoladavid porn casei entead fio dental fas gosa ponh casaapica tatoda no cu da brasileira e ela pedi maisqontos eroticos banho com minha irman mais velhadei viagra p meu vo olha no que deunha video amador roludor botando novinha pra fazer de tudorporno filme grande que demore😉😉xxvibeo fudeno tatinhaQuero da minha buceta para o Adilsonestupro esposa contos eroticoscomendo a pretinha que tiha ido mija contoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgecontos eroticos gay-tal genro,tal sogrovideos de sexo racatadoeu adotei um negao para arreberta a milha esposa porno eu sou cornoabaixa x video mulher ingulindo muita gozaContos erotico gozando dentro tendo aidscorno covarde chorãoconto meu sobrinho cheirou minha calcinhaquero ver loiras e morenas d********* bem gostoso e arrombando o c* bem arrombado mostrando bem arregalado o c****** e de fio dental bem gostoso preto vermelho branco azulcontos eroticosinha bucetinha apertadaconto erotico sou uma cadelinhaxvideos nynynha cornomansso sobmissasmuleke come buceta na cachoeira sem camisinha na mataimagem de menina mois trado a puceta dela vizimconto gay apaixonado por um traficantevidios. poco pisudo fodendo porcacoroas peludos com para fora da cueca samba cançaoassistente de palco do programa vai para o teste do sofa pornomulherzinha gostinho se exibindo na praia só de biquíniirmas fudendo com irmão1minuto xvideos"padre não é homem"contos eroticos primo billabong28contos eróticos menina 25 anos transando com cachorro Calcinha Preta com lacinho vermelhoContos comi a buceta da minha nora mesmo ela estando menstruadaMulheres que se mastubarao em quanto.dansavao DIU forçando a sobrinha chupar o pau dele