Inseminada pelo chefe (an american tale)

Um conto erótico de guido
Categoria: Heterossexual
Data: 28/11/2013 19:05:13
Nota 5.00

Inseminada pelo chefe (an american tale)

Debbie e eu crescemos juntos e como éramos as únicas crianças na vizinhança, nos tornamos muito amigos. Brincávamos de cowboys num dia, e de índios no outro. Nós também brincávamos de, "você me mostra a sua, eu te mostro o meu". Aos dez anos, muitas vezes fomos brincar nus na floresta atrás de nossas casas. Nossos pais devem ter percebido, pois não tínhamos marquinhas de bronzeado, mas nunca disseram nada. Começamos a explorar os corpos um do outro, diante da explosão dos nossos hormônios. Na escola, quando ouvimos falar sobre sexo oral (boquete e chupar buceta) logo começamos a experimentar. Eu até tentei transar com ela, mas não funcionou já que não tínhamos a menor ideia do que estávamos fazendo. Nós rapidamente descobrimos que gostávamos mesmo era do sexo oral, e iríamos passar horas apenas nos chupando e lambendo. No momento em que descobrimos como a relação sexual deveria ser feita, Debbie começou a menstruar. Percebendo que ela poderia engravidar, ficamos com muito medo de avançar. Apesar de Debbie começar seus períodos em tenra idade, o resto de seu corpo não estava com nenhuma pressa. Quando ela tinha treze anos, sua mãe comprou-lhe um sutiã, mas Debbie parou de usá-lo depois de algumas semanas. Ela disse que era muito incômodo, e ela não tinha nada que precisasse apoiar. Seus seios eram nada mais do que inchaços suaves sobre o peito magro, tampado com lindos mamilos rosados. Debbie viria para mim me dizendo como as outras meninas zombavam de seus peitos, e nenhum dos caras prestava atenção nela. Minha situação também não era muito melhor, assim nos consolávamos nos chupando e lambendo, para aliviar nossas frustrações. E assim passamos todo o nosso ensino médio. Até para o baile de formatura tivemos que ir um com o outro, pois ainda não estávamos em evidencia. No nosso último ano na escola, eu tinha crescido um pouco e era tão grande fisicamente quanto a maioria dos caras, mesmo não praticando a maioria dos esportes de equipe. Debbie ainda parecia uma menina de treze anos. Em seguida, fomos para a faculdade e lá continuamos à procura de aceitação com o sexo oposto. Como sempre, nossos esforços não deram muito resultado e Debbie e eu continuamos nos reunindo para nossas sessões de chupadas. Relação sexual não era sequer cogitada, pois Debbie não estava a tomar a pílula e eu nunca gostei de camisinhas. Em nosso primeiro ano, Debbie foi cortejada por Jim, um jogador do time de futebol. Tentei dizer a ela que o cara não era bom, mas ela estava tão ansiosa por um encontro de verdade, que me ignorou. Cerca de duas semanas depois de ela começar a sair com Jim, ela me ligou, toda animada. Ela me disse que tinha finalmente tido relações sexuais com um homem. Eu tentei parecer feliz por ela, mas por dentro eu estava machucado. Todos aqueles anos de sexo oral não tinham importado, todas as vezes que eu a havia consolado, e ela deixou o primeiro torrão transar com ela. Eu avisei a ela para ter cuidado, mas ela não estava me escutando. Três semanas depois, Debbie me ligou, soluçando e pedindo para me ver. Quando ela apareceu, eu a levei em meus braços e perguntei o que estava errado. Entre soluços, ela me contou que sua menstruação estava atrasada, e nunca tinha atrasado antes, mesmo quando ela estava doente. Suprimindo minha raiva, eu assegurei a ela que daria tudo certo. Então eu a levei para fazer um daqueles testes de farmácia e tivemos certeza que ela estava grávida. Quando confrontado sobre a gravidez, Jim apenas riu e disse-lhe para ir se foder. Debbie estava esmagada, tão esmagada que estava falando de abandonar tudo e fugir. Fazer um aborto estava fora de questão, mas ela estava igualmente com medo da reação de seus pais, por se tornar mãe solteira. Eu sugeri que fossemos em um motel, onde poderíamos ficar sozinhos e conversar sobre o que fazer. Debbie, ainda chorando, olhou para mim e disse. "Eu não me sinto bem para fazer sexo." Enquanto eu beijava suas lágrimas, meu coração doeu com essas palavras. Então, assegurando-lhe que sexo não estava em minha mente, eu a ajudei a juntar algumas coisas e dormimos em um motel nas proximidades. Na manhã seguinte, conversamos sobre tudo, incluindo todas as coisas que tínhamos feito enquanto crescíamos. Foi então que eu percebi que estava profundamente apaixonado por Debbie. Percebi também que a solução para seu problema era simples, EU poderia casar com ela. Quando eu disse a Debbie que eu iria casar com ela e assumir o seu bebê como meu, Debbie disse que não, que ela não queria me obrigar a isso. Eu garanti a ela que eu queria mesmo casar com ela, e protegê-la de qualquer dor. Após longas discussões ela concordou, e o resto do fim de semana passamos na cama nos abraçando e fazendo sexo. Eu finalmente tive relações sexuais com ela. Foi bom, mas depois disso ambos concordamos que gostávamos mais do sexo oral. Ela confidenciou que depois de ter sido fodida pelo pau de 10 polegadas de Jim, minhas 5 polegadas simplesmente não fariam bem o trabalho. Ela me fez sentir melhor, apenas quando disse que gostava mais de chupar o meu pau do que o dele, pois o meu não iria sufocá-la mesmo quando eu o empurrava todo pela sua boca adentro. Quando voltamos para casa nas férias, chamamos nossos pais e dissemos que iríamos nos casar, enquanto estávamos em casa para passar o Natal. Surpresos, eles perguntaram por que aquilo tão de repente, em seguida houve uma pausa e nos perguntaram se Debbie estava grávida. Para nosso alívio, nossos pais aceitaram a nossa explicação, sem exigirem uma palestra. Debbie e eu ficamos animados com o bebê crescendo dentro dela, e ignoramos completamente o fato de que ele não era meu. Nossos pais prometeram nos ajudar com o bebê, e continuar nos ajudando a terminar a faculdade. Nas férias de julho Debbie deu à luz a uma menina saudável. Naquele outono, voltamos para a escola e recebemos nossos diplomas.

CAPÍTULO 2

Após a formatura, eu consegui um emprego em outro estado e as coisas estavam indo bem. Bem até cerca de um ano depois, quando nossa empresa foi comprada. Disseram-nos que a nossa fábrica estava sendo desativada e que alguns de nós poderíamos manter nossos empregos, mas teríamos que mudar de cidade. Não tendo nada nos segurando lá, nos mudamos. Para nossa satisfação, quando chegamos na nova fábrica, Debbie conseguiu ser admitida em outro departamento. Estávamos entusiasmados com nossos novos postos de trabalho e a empresa ainda tinha uma creche para deixarmos a Cindy. Cerca de um mês depois, o entusiasmo de Debbie com o seu trabalho desapareceu. Quando perguntei o que estava errado, ela apenas sorriu e disse que não era nada. Mais um mês se passou, e eu descobri que seu chefe era Jim, o mesmo cara que a tinha engravidado e abandonado na faculdade. Quando eu disse a ela que eu sabia quem era seu chefe, ela admitiu que ele estava assediando ela, e queria ver o "seu bebê" (Cindy). Eu fiquei louco de raiva. Imediatamente comecei a procurar outro emprego. Toda vez que eu ia para alguma entrevista, as pessoas do setor pessoal me diziam que eu era exatamente o que eles estavam procurando. Mas no dia seguinte eu recebia uma desculpa esfarrapada, e eu não conseguia o emprego. Eu também descobri que não podia sair da nossa casa, pois o contrato era de dois anos. Eles me tinham preso. Debbie me convenceu a esquecer a mudança, por um tempo. Ela disse que poderia se cuidar, e quando o nosso contrato terminasse, poderíamos procurar emprego em outro estado. Isso parecia razoável para mim, então me acomodei para fazer o melhor que podíamos. Para minha surpresa, depois de seis meses, tivemos aumentos de salários e promoções. Mas nossas promoções significavam que estaríamos fora da cidade com frequência. No começo eu fiquei grato por nós dois nunca termos de sair da cidade ao mesmo tempo. O lado ruim era que eu não podia ficar tanto tempo com Debbie como eu queria. O lado bom é que eu podia passar o tempo com Cindy enquanto Debbie estava fora da cidade. Depois de uma das minhas viagens, Cindy disse-me que "Tio Jim" visitou nossa casa quando eu estava ausente. Embora eu estivesse chateado com essa notícia, eu apenas abracei Cindy e mudei de assunto. Mais tarde, ao confrontar isso com Debbie, ela apenas deu de ombros, dizendo que Jim insistiu muito em ver a Cindy. Tentando me acalmar, ela acrescentou que ele nunca tinha mencionado que ele era realmente o pai da Cindy. Isso continuou por algum tempo, e em seguida Cindy disse-me que "Tio Jim" tinha dormido em nossa casa durante várias noites, e que tinha ouvido barulhos estranhos durante a noite. Instantaneamente meu estômago deu um nó, pois eu sabia o que aquilo significava. Um mês mais tarde, quando Debbie me disse que estava grávida, eu não estava surpreso. No entanto, eu tentei dizer a mim mesmo que esse filho poderia ser meu, pois tínhamos feito sexo regularmente ao longo do tempo, sem proteção. Debbie deu à luz um menino saudável. Quando ela chegou em casa com o bebê, Jim veio junto. Até então eu já tinha me acostumado com as visitas dele. Eu estava me acostumando até mesmo com ele tocando a Debbie. No entanto, eu me ressentia com seus comentários lascivos sobre o quanto os peitos de Debbie cresceram enquanto ela estava grávida e amamentando. Debbie iria calmamente corar e desviar o olhar. Durante os meses que Debbie estava sexualmente fora de ação após o nascimento de John, eu não tive que sair da cidade. Então no dia que Debbie foi fazer seu check-up, Jim me programou para estar fora da cidade por duas semanas. Quando saí para o aeroporto, Debbie já tinha ido para a consulta com o seu médico. Chegando ao aeroporto, eu estava fazendo o check-in quando anunciaram que o meu voo estava atrasado. Esperei por uma hora e meia, até que eles começaram a chamar para embarcarmos. Mal começamos a ir para o avião, disseram que o aeroporto para o qual eu estava voando, estava fechado devido à neve e não seria aberto até a manhã seguinte. Ao invés de estar chateado, fiquei feliz pois estaria voltando para casa, para estar com os amores da minha vida. Dirigindo pela rua da minha casa, vi o carro de Debbie na calçada, e em seguida notei o carro esportivo de Jim estacionado ao lado dele. Já estava escuro, e as luzes estavam acesas nas casas, em todas as casas, menos na minha. Eu estacionei a meia quadra de distância. Andei em torno da casa e vi uma luz acesa no quarto. Silenciosamente deslizando pela porta de trás, notei pratos na pia da cozinha, eram do jantar, mas apenas para dois adultos. Na mesa da sala de jantar estavam dois copos de vinho, vazios, e uma garrafa de vinho, também vazia. Foi então que ouvi um leve gemido vindo do nosso quarto. Silenciosamente eu subi as escadas e olhei no quarto de Cindy, sua cama estava vazia. No final do corredor, a cama do bebê estava vazia. Espreitando no nosso quarto, fui recebido com a visão da bunda peluda de Jim enfiando seu enorme pau na recém-disponível buceta de Debbie. Paralisado pela raiva, eu assisti Debbie agarrando a bunda peluda de Jim enquanto gemidos escapavam pela sua garganta. Para meu horror, eu senti meu pau saltar. Eu queria matar esse desgraçado por foder a minha esposa, mas meu pau ficando animado pregou minhas pernas no lugar. Enquanto eu estava lá em pé, os gemidos de Debbie tornaram-se mais altos e ela começou a balbuciar comentários obscenos. Jim estava fazendo o seu melhor para dar a ela o que ela estava pedindo, e ficou claro que ninguém estava sendo forçado ali. Jim resmungou e enfiou o seu pau duro e grosso todinho em Debbie. Debbie uivou em seguida, começando a balbuciar para ele gozar dentro dela, para deixá-la grávida novamente. Repetidamente, ela repetiu essas palavras até que ambos ficaram imóveis. Pensando que tinham acabado, eu me voltei para estar fora da vista deles, enquanto tentava decidir o que fazer. Em pé no corredor, ouvi Debbie dizendo algo suavemente para Jim. Eu me aproximei tentando ouvir. O que eu ouvi em seguida esfriou meu sangue e molhou minhas calças. "Pobre Bruce... ainda não descobriu que eu tenho mantido-o fora da cidade apenas para que eu possa foder essa sua buceta deliciosa. Ele disse alguma coisa sobre não estar por perto para te foder, agora que você está fora do resguardo?" Jim perguntou. "Não... eu dei-lhe um bom boquete ontem à noite, e só isso. Por favor não vamos falar sobre o Bruce... foda-me novamente. Eu tinha esquecido o quanto eu gosto de estar grávida. Agora eu quero ficar grávida sempre. Nós não temos que dizer nada ao Bruce, basta que ele ame as crianças". Meu pau explodiu quando eu ouvi isso. Minha esposa estava implorando a um homem que ela detestava, para emprenhá-la, e eu estava de pé do lado de fora, completamente omisso. Durante a hora seguinte lá estava eu assistindo Jim procriar com a minha esposa. Eu tinha que admitir, Jim com certeza era um mestre na arte do coito, e o pequeno corpo de menina da minha esposa estava sexy como o inferno se contorcendo na ponta do pau dele. Eu podia ver as bolas dele se preparando para explodir outra carga de esperma fazedora de bebê na barriga disponível dela. Quando eles chegaram ao seu clímax final, eu calmamente deslizei para fora de casa e procurei um motel, para pegar meu voo na manhã seguinte. Na noite seguinte, eu liguei para Debbie cerca de 22 horas. O telefone tocou e tocou, até que ela atendeu. Quando ouvi sua voz, eu soube imediatamente que eu tinha interrompido uma transa. Ao fundo, eu podia ouvir uma respiração pesada. Debbie nada podia fazer para não gemer enquanto falava comigo. O que dissemos não me importava, eu tinha o meu pau na mão a acariciá-lo o tempo todo, ouvindo os grunhidos ofegantes de Debbie. Quando eu perguntei a ela sobre nossos filhos e outras coisas triviais, eu estava ouvindo o que realmente estava acontecendo. Jim deve ter pego o ritmo com os gemidos de Debbie, agora bastante audíveis. Provavelmente vê-la falar com o marido enquanto era fodida por ele, o excitava ainda mais. Embora eu soubesse que Debbie teria gostado de me dizer 'boa noite', ela simplesmente respondeu às minhas perguntas em sua forma carinhosa de costume. Sua respiração foi ficando mais pesada e a de Jim mais alta. De repente, ouvi um grunhido alto, em seguida, alguém cobriu o bocal do telefone. Ainda assim, eu ouvi grunhidos e gemidos inevitáveis para quem está gozando. Quando Debbie voltou, ela disse que tinha tossido e acordou o bebê, mas que agora ele estava feliz, mamando nela. Pelos sons que eu estava ouvindo, eu tinha certeza que era Jim mamando em seus peitos cheios de leite. Debbie então disse "eu queria que você estivesse aqui para chupar o outro." Eu disse a ela que eu também queria isso, enquanto meu pau pulverizava meu esperma sobre uma toalha. Satisfeito, eu disse-lhe para dar ao bebê um beijo por mim, então dissemos 'boa noite'. Várias noites depois, eu ligava para ela nas minhas próximas viagens, e ouvia quase uma repetição completa dos sons dessa noite. No entanto, depois que eu desligava, eu tinha que bater uma punheta, para conseguir dormir. Eu tentei ficar com raiva deles, mas cada vez que eu pensava sobre Jim emprenhando minha esposa, meu pau pulava dentro da calça. Eu também analisei a nossa situação financeira e descobri que se eu saísse do trabalho, levaria anos para me recuperar. Tão humilhante quanto isso era saber que nada iria doer mais do que não fazer nada, e seguir fazendo o jogo deles. Como de costume, eu ligava para Debbie a cada dois dias, durante minhas viagens, e cada vez que eu ligava, Debbie estava sendo fodida por Jim. De repente, encontrei-me desejando estar lá para vê-los. Ainda mais preocupante era o fato de que eu encontrava-me querendo lamber a buceta dela após Jim acabar de enche-la com seu esperma. Várias vezes eu tinha chupado a buceta da Debbie depois de eu mesmo ter gozado nela, e isso a excitava. Enquanto esses pensamentos giravam na minha cabeça, ocorreu-me que, recentemente, Debbie não queria mais que eu chupasse sua buceta. Agora eu sabia que era porque ela ainda estava cheia do esperma de Jim. Eu não sei o que me fez dizer a Debbie que eu estaria no próximo voo, mas eu o fiz. Em tempo recorde, eu fiz a minha mala e fui para casa com uma furiosa ereção. Dirigindo devagar até em casa, vi o carro de Jim estacionado na calçada. Com um grande sorriso eu estacionei na rua seguinte e caminhei de volta. A luz estava acesa na cozinha, mas quando eu espreitei pela janela, ninguém estava lá. Olhando para as janelas do nosso quarto, vi uma luz fraca. Cuidadosamente eu adentrei para casa e procurei escutar alguma coisa. Logo eu ouvia gemidos e grunhidos vindos do andar de cima. Fui atraído a subir as escadas e entrei sem fazer barulho após verificar as portas fechadas dos quartos das crianças. Debbie estava deitada de costas, com as pernas sobre os ombros largos de Jim. Cristo, cada vez que ele batia seu pênis todo nela, parecia que ia sair pela boca. Com um olhar sonhador no rosto, ela lhe dizia: "Nossa, eu espero que você tenha me engravidado dessa vez, pois eu mal posso esperar mais um mês." Jim riu. "Eu não sei mais para onde enviar seu marido por mais duas semanas. Se não fosse por você ter que alimentar o bebê, eu iria levá-la para minha casa". Enquanto eu olhava e ouvia isso, meu pau ficou melado em meus shorts. Por mais que eu quisesse ir lá e acabar com a diversão deles, eu também queria ver Debbie ficar grávida dele, se é que já não estava. "Nossa, ainda bem que eu coloquei uma toalha debaixo de mim, seu esperma está escorrendo pela minha bunda. Espero que Bruce não perceba como larga a minha buceta está." Jim riu e disse: "Basta dizer-lhe que ainda está esticada de ter o bebê." Debbie riu e respondeu: "Eu quero o resto do esperma das suas bolas antes de você sair, então é melhor se apressar. Bruce estará em casa em uma hora." Eu vi Jim descarregando outra carga de porra na buceta da minha esposa, então eu os deixei em paz, tão silenciosamente quanto eu viera. De volta ao meu carro, eu observei minha casa, esperando Jim sair. Rapaz, ele sabia dar uma rapidinha. Nem 10 minutos se passaram desde que eu chegara no meu carro, e ele havia entrado no dele e ido embora. Isso significava que, a menos que Debbie tivesse acabado de fazer uma ducha, sua boceta estaria inundada de esperma. Esperei um minuto, em seguida entrei em minha garagem. Após uma entrada discreta, fui direito para o nosso quarto. Debbie tentou agir como se ela estivesse dormindo, quando me inclinei para beijá-la. O quarto ainda cheirava a um bordel, embora tivessem pulverizado algum purificador de ar. Eu disse a ela para não se preocupar em se levantar, que eu estava indo tomar um banho e viria para a cama. O chuveiro estava molhado, e desde que eu não tinha cheiro de sabonete em Debbie, tinha de ter sido Jim que tomara um banho. Alegremente, eu me arrastei para a cama e aconcheguei-me a Debbie. Sem hesitar, ela estava em meus braços, me dizendo o quanto ela sentira minha falta e como estava feliz de ter-me em casa. Comecei a beijar seu pescoço, e em seguida os mamilos leitosos. Sabendo o quão quente isso a deixava, eu sabia que ela não estaria pensando sobre o esperma do Jim em sua barriga. Ela ainda estava gemendo e balbuciando o quanto me amava, quando eu deslizei minha boca sobre a boceta cheia de esperma. Então, de repente percebendo onde eu estava, ela tentou me afastar, mas já era tarde demais. Sua vagina estava ainda muito aberta, e minha língua entrou sem qualquer resistência, para encontrar grandes glóbulos de esperma ainda quente. Debbie deu um suspiro nervoso, mas logo depois relaxou, enquanto eu continuava a escavar o esperma de Jim para fora. Até o momento em que eu ainda lambia os últimos vestígios do esperma do Jim, Debbie estava a caminho de um grande orgasmo. Tempos atrás, eu iria parar quando seu clímax começasse, mas eu tinha lido que quando uma mulher goza, seu ventre suga qualquer esperma para perto do seu útero. Com uma emoção perversa, mantive o meu ataque ao seu clitóris enquanto me perguntava se eu poderia estar ajudando Jim a engravidar minha esposa. Eu brinquei com seu clitóris até que ela me pediu para parar. No momento em que eu parei, ela tinha tido pelo menos três pequenos orgasmos. Após relaxar, Debbie ficou em meus braços. Alguns minutos mais tarde, ela se virou e caiu sobre mim, me chupando, verdadeiramente inspirada. Por quase uma hora ela chupou meu pau como nunca antes. Em seguida, aninhou-se dizendo que estava feliz que eu estava em casa, e depois dormiu. De manhã eu acordei antes dela. Enquanto eu estava lá olhando para ela, ela moveu-se de forma que os peitos dela vieram à tona. Para minha surpresa, vi leves contusões em torno da base de suas aréolas e em vários outros lugares. Jim tinha mordido seus seios? Ela protestou? Eu estava chateado, ou excitado que ele tinha sido grosseiro com ela? Esses pensamentos estavam saltando na minha cabeça, quando eu saí da cama e fui preparar o café.

CAPÍTULO 3

No sábado seguinte, Debbie me pediu para cuidar das crianças, enquanto ela ia fazer compras. Eu lhe disse que ficaria bem, e para ela se divertir. Enquanto ela estava fora, e sem ter o que fazer, eu abri uma gaveta da nossa cômoda e encontrei seu diário/agenda. Eu sabia que ela sempre mantinha o controle de seus períodos e fazia outras anotações nele. John estava dormindo, e Cindy estava assistindo desenhos animados, então comecei a folhear o precioso material. Para minha surpresa, os registros voltaram até a época escolar. Eu encontrei muitos registros que entusiasmadamente me mencionavam, depois vim para onde ela conheceu o Jim. Seus comentários eram muito reveladores. Ela o chamou de arrogante e tarado, mas com um pau grande com ele. Ela esqueceu-se de que período do mês estava, e deixou ele fodê-la. “Oh merda, eu acho que ele me engravidou. O desgraçado fez isso, agora o que tiver de fazer, eu faço. Conversei com Bruce. Ele é um cara legal, está sempre lá para mim, não importa o quanto eu abuse do nosso relacionamento. Bruce diz que vai se casar comigo, impedindo a minha ruína. O que mais eu posso querer? ele é tão bom, e eu sei que ele vai ser bom com o meu bebê. Pena que ele não tem o pau de Jim, e saber como usá-lo”. A partir daí, eu encontrei uma série de comentários sobre a sua carência de um grande pau. Então eu li o registro onde ela descobriu que Jim era o seu chefe, e que ele estava dando em cima dela. Sua próxima entrada chamou minha atenção. “Estou dividida entre dois amantes. Um deles é um bastardo que me fode forte e áspero. Ele não quer nada mais do que me bater e humilhar meu marido amoroso. Meu marido é gentil e amoroso, é o meu salvador. O sexo com meu marido é bom, mas às vezes ele é muito gentil e não toca meu sino forte o suficiente, e ele também não me deixa grávida. Eu acho isso injusto. Eu realmente não dera ao Bruce uma chance de me engravidar. Não há nenhuma maneira que eu possa resistir ao bastardo do Jim. Ele veio aqui quando Bruce estava fora da cidade e me fodeu na minha própria cama. Voltou na noite seguinte, e na próxima. Ele tem a intenção clara de me engravidar. Embora eu tentasse resistir no início, foi inútil, meu corpo estava em seu controle. Espero que Bruce não perceba que este filho não é o seu também”. Fiquei confuso, chocado, humilhado e ao mesmo tempo satisfeito com o que li. Avançando, eu li registros sobre ela estar grávida do John e quanto ela gostava dele. Ela mencionou que estava lutando contra a ideia de deixar Jim usá-la novamente. Então eu li o seu registro do dia em que ela chegou em casa com o John. “Jim veio ver o segundo bebê que tinha feito em mim. Quando ele fez cócegas em nosso bebê, ele perguntou se eu estava pronta para outro, e eu disse-lhe que sim. Ele sorriu e me disse que iria enviar Bruce para fora da cidade quando eu tivesse madura, para que eu e ele pudéssemos nos reproduzir sem interrupções. Pobre Bruce, eu sinto muito por ele, mas eu preciso do pau grande do Jim”. Olhando para o calendário, vi onde ela estava menstruada, depois que John nasceu. Próximo disso tinha escrito "a última vez por mais nove meses". Meu pau estava fazendo uma bagunça na minha calça e minha mente estava girando. Senti que minha própria vida estava fora do meu controle. Eu amo Debbie e as crianças, apesar de eu saber que o meu esperma não os criou. Para minha surpresa, me descobri querendo que Jim continuasse transando com ela, e sim, continuasse a fazer bebês nela. Fiquei chocado com os meus próprios pensamentos. Mas meu próximo pensamento me chocou ainda mais. Eu encontrei-me a querer provar o esperma de Jim na buceta dela de novo! De repente, o som do choro de John interrompeu meus pensamentos. Antes que eu pudesse mover-me, Cindy gritou que ela iria cuidar do bebê. Levantei-me e quando eu entrei no quarto do bebê, Cindy estava tirando a fralda de John. Juntos mudamos a fralda de John e lhe demos a mamadeira. Enquanto John estava feliz bebendo sua mamadeira, Cindy me disse que ela sentia minha falta quando eu estava fora, mas ainda bem que o tio Jim vinha fazer-lhes companhia. Ela chegou a dizer que algumas vezes ele até passou mesmo a noite toda lá. Enquanto estávamos falando sobre as visitas de Jim, notei Debbie ao pé da porta nos ouvindo com um olhar aterrorizado. Cindy notou a direção do meu olhar e olhou para sua mãe. Cindy correu para sua mãe dizendo: “Mamãe, eu estava dizendo ao papai o quão bom o tio Jim foi, para lhe fazer companhia enquanto o papai estava fora”. Debbie abraçou Cindy e olhou para mim com medo e lágrimas nos olhos. Eu sabia que aquele era um momento decisivo para mim. John estava agora dormindo pacificamente em meus braços, portanto eu fui colocá-lo de volta em seu berço. Quando voltei, Debbie tinha enviado Cindy de volta para seus desenhos animados. "Eu acho que você descobriu que eu tenho dormido com Jim." "Sim, você não fez muita força para eu não descobrir. Imaginei que você queria que eu descobrisse, mas tinha medo que eu fizesse alguma besteira. Eu podia me divorciar de você e deixá-la sem nada, mas se eu fizer isso, eu seria o único sem nada. Eu poderia atirar em Jim mas então eu iria para a cadeia." Eu fui afirmando minhas opções enquanto observava Debbie se contorcer. Ela me causou muita humilhação, e agora era a minha vez de lhe dar algum retorno. Até que as palavras saíssem da minha boca, eu não tinha certeza do que eu iria dizer. Debbie ficou ali, sem palavras, enquanto as lágrimas rolavam de seus olhos. Quando fiquei sem palavras, entrei no nosso quarto e peguei seu diário. Debbie deu uma olhada no que eu tinha em minha mão, e caiu da cama chorando. Soluçando, ela perguntou se eu iria deixá-la ficar até que ela pudesse encontrar um lugar para morar. Eu queria dizer a ela que não seria necessário, mas eu queria que ela se contorcesse um pouco mais. "Não!" Eu respondi. Minha resposta a fez saltar como se fosse chicoteada. Ela sentou-se a olhar para mim com os olhos vermelhos, tentando entender o que estava acontecendo. "Você ainda me ama? Você ainda me quer como seu marido?" Eu perguntei. Debbie piscou os olhos e balançou a cabeça. "Sim, se você me quiser depois de tudo que eu fiz..." Nesse ponto, eu fui para a cama e puxei-a em meus braços. Enquanto conversávamos, eu pensei que poderia detectar o cheiro de sexo nela. Eu empurrei-a de costas e virei-lhe a saia de modo que meu rosto ficou na sua virilha. Debbie protestou fracamente, mas foi em vão. Então eu vi sua calcinha, encharcada de esperma. Afastei-a de lado e colei a boca em sua buceta viscosa. A julgar pela forma como inchada e vermelha ela estava, não tinha sido a muito tempo que Jim tinha fodido ela. Eu dirigi minha língua no depósito de esperma de Jim, escavando para fora rios de seu esperma em minha boca e engolindo-os. Atordoada, Debbie não sabia como reagir. No entanto, seu corpo logo assumiu o controle e começou a se contorcer e empurrar sua boceta em minha boca. "V-v-você gosta... do gosto que eu tenho?" Ela perguntou timidamente. Eu respondi furando minha língua profundamente em sua vagina aberta, e depois mordiscando seu clitóris. Debbie gemeu em luxuria e começou a acariciar o meu cabelo quando descobriu que eu não estava desanimado pelo gosto do esperma do Jim, e sim mais quente por isso. Debbie estava agora no auge de um grande orgasmo, atravessado por um discurso incompreensível. Após seu corpo tremer pelo clímax, eu rastejei ao lado dela, tomando-a em meus braços. Eu não sei quanto tempo ficamos juntos, mas um chamado de Cindy nos acordou. Quando Debbie foi cuidar das crianças, eu me coloquei lá, pensando sobre o que eu tinha acabado de fazer. Minha mente estava um turbilhão, eu sabia o que um marido "deveria fazer", mas como eu havia dito, eu perderia as crianças. E eu não queria isso. Ah, sim, eu acho que eu poderia ter lutado pela guarda delas, mas como, se eu não era o pai delas... Entendi que, ao aceitar as coisas como elas tinham sido até agora, eu ainda poderia ter o que eu queria. No entanto, eu queria uma mudança. Naquela noite, depois que as crianças estavam dormindo, eu disse a Debbie que ela teria que fazer uma escolha. Ela iria parar de ver o Jim - ou parar de fazer isso nas minhas costas. O rosto de Debbie passou por toda uma gama de expressões. Ainda com um olhar de leve descrença, ela perguntou se eu quis dizer que eu queria saber sobre seus encontros com ele. Eu disse a ela que foi exatamente isso que eu quis dizer. Eu queria saber o que estava acontecendo, e onde. Lembrei-lhe que eu poderia divorciar-me dela sem dar um centavo a ela ou as crianças. Por outro lado, eu queria ser parte da sua diversão, e poderia até assistir. Ela apenas sentou-se lá, atordoada. Por vários dias, Debbie não disse nada. No meu trabalho, eu via Jim envolto nos negócios. Eu estava confuso ao achar que eles poderiam romper seu relacionamento, e estava me perguntando se eu tinha apostado alto demais. Numa quarta-feira, eu estava prestes a dizer a Debbie que ela poderia brincar com Jim, sem se preocupar comigo, mas antes que eu o fizesse, Jim me mandou para fora da cidade para cuidar de uma chamada de emergência. Obediente, corri para casa e arrumei minhas malas. Na hora que seria do meu jantar, eu estava dentro de um avião. Para minha grande surpresa, a emergência era real e a empresa havia me solicitado porque sentiu que eu poderia lidar com a situação. Então, trabalhei por dois dias seguidos, quase sem dormir. O cliente ficou tão feliz que se ofereceu para me colocar em um hotel de luxo para descansar, mas eu só queria voltar para casa.

CAPÍTULO 4

Enquanto eu corria para casa, encontrei-me na esperança de que a buceta de Debbie ainda estivesse inchada e molhada de outra sessão de procriação com Jim. Ele seria ousado o suficiente para ainda estar em nossa casa? Um minuto depois, meus faróis iluminaram o fundo do carro de Jim, e meu pau deu um salto. Vendo que as luzes do andar de baixo estavam apagadas, meu pau ficou ainda mais duro e eu me perguntava se Jim ainda estaria fodendo a minha esposa. Eu não me esgueirei pela casa como das outras vezes, mas também não fiz nenhum barulho enquanto deixava os lamentos e gemidos de Debbie guiarem-me até o quarto. No topo das escadas, fiquei surpreso com a forma como Debbie estava vocalizando o ato. Pensando que ela poderia acordar os nossos filhos, eu espreitei nos quartos deles e vi que eles tinham sido enviados para a casa de uma babá. Então eu olhei para o calendário e percebi que John estava hoje com três meses de idade, e Debbie provavelmente estava fértil. O médico tinha avisado que durante o resguardo as chances dela engravidar eram menores, e a cada mês posterior, o risco de gravidez seria maior. Enquanto pensava na fertilidade de Debbie, eu ouvi ela gemer alto, e em seguida, dizer. "Porra, isso! Morda meus peitinhos. Não se reprima, Bruce já sabe sobre nós dois." Jim não disse nada, mas o uivo alto que eu ouvi em seguida me disse que o peito de Debbie iria ficar dolorido. O uivo de Debbie também fez meus pés se moverem, e um segundo depois eu estava em pé na porta do nosso quarto. Debbie estava subindo e descendo no pau maciço de Jim, enquanto apertava seu mamilo leitoso na boca dele. Atordoado por tanta luxúria, logo eu estava a menos de cinco metros da cama. Após vários minutos de foda selvagem, Debbie levantou a cabeça e gritou. "Oh sim.... Me deixe grávida, mostre ao Bruce que você me fode como um animal no cio." Seu grito se transformou em um uivo quando ela cravou sua buceta para baixo no pau de Jim, e tremeu no ápice de um grande clímax. De onde eu estava, eu podia ver claramente cada surto de esperma correndo através do pênis de Jim, direto para o ventre desprotegido da minha esposa. Não muito depois ela caiu em cima de Jim, e eu percebi que a frente da minha calça estava molhada. Este seria o meu papel no meu casamento? Para os próximos minutos, eu estava vendo como o pau brilhando de Jim amolecia lentamente. Então, quando ele deslizou para fora da buceta bem fodida de Debbie, ela soltou um gemido e rolou de costas. De repente, Debbie e eu estávamos olhando nos olhos um do outro. Com notável compostura, e protegida pelas sombras, Debbie disse. "Oi Bruce. Eu não sabia que você estaria voltando para casa esta noite." Eu sorri e disse: "Vocês já se enroscaram o suficiente para você estar grávida?" Jim então olhou para mim nervosamente. No entanto, quando ele viu que eu não estava segurando uma arma ou uma faca, ele deu um fraco sorriso. Debbie abriu as pernas, mostrando sua buceta ferida, inchada e cheia de esperma, e disse calmamente. "Bem, você queria assistir, não queria? quer ver mais?" Despindo-me, eu disse. "Isso foi o aquecimento, ou o ato de encerramento da noite?" Debbie sorriu para Jim e disse. "Tenho certeza de que ele é bom para pelo menos mais uma rodada." Mesmo que eu não detectasse qualquer malícia na voz de Debbie, seu comentário não deixou de ser uma alfinetada, porque no meu melhor, eu só conseguia um clímax em uma noite. No entanto a minha meia ereção estava dizendo que eu ainda estava interessado no que eu estava vendo. Quando me mudei para a cama, meu pau meio duro balançou como se estivesse farejando uma buceta recém fodida. Debbie sorriu e disse. "Se você está pensando em colocar isso na minha buceta, fique à vontade, mas eu provavelmente não vou sentir nada. No entanto, se você quiser brincar com o meu clitóris, eu vou dar ao seu pau um grande momento." Não sendo um tolo para deixar passar tal oferta, eu me movimentei para entrar em um 69 com ela. Mesmo antes dos meus lábios tocarem sua buceta, Debbie estava cumprindo sua promessa. Sua língua estava agradando o lugar mágico na parte de baixo do meu pau e meu pau já estava duro antes de eu terminar de explorar sua buceta bem fodida. Incapaz de resistir à tentação de saborear seus sucos, eu abri minha boca e chupei os lábios inchados da sua buceta, enquanto minha língua capturava rios de esperma do Jim. Quase imediatamente, eu sabia que Debbie estava curtindo minha sucção na sua xoxota, por causa do jeito que ela gemia em volta do meu pau enquanto carinhosamente o chupava. Logo depois eu perdi o controle e comecei a transar com a boca de Debbie. Em resposta, ela rebolava sua buceta para mim enquanto abria mais as pernas, permitindo-me chupar melhor seus lábios vaginais. Alguns minutos depois, os sons dos nossos gozos ecoavam no quarto. Quando me recuperei do meu clímax, percebi que Jim ainda estava na cama assistindo nossa gulosa atuação. Sorrindo casualmente, ele olhou para mim e disse: "Você pode ter a boca, mas a buceta dela pertence ao meu pau." Corando, eu tentei pensar em alguma coisa que eu pudesse dizer para reforçar a minha posição como chefe de família. No entanto, tudo o que me veio à mente só aumentaria a minha humilhação. Eu então me consolei pensando que, com as atividades sexuais de Debbie agora em aberto, poderíamos restaurar um pouco de nossa confiança perdida.

EPÍLOGO

Em todas as noites da semana seguinte, Jim entrou na nossa casa para se reproduzir com Debbie. Depois que ele ia embora, eu tenderia a verificar as "marcas de reprodução" que ele havia deixado no corpo dela, depois de limpar o excesso de esperma da sua buceta. Para minha alegria Debbie se oferecia para chupar o meu pau a qualquer momento que as crianças não estavam por perto. Ela fez outra coisa que me surpreendeu, me pediu para começar a sugar seus mamilos, mesmo depois que Jim tinha atacado e marcado eles. Quando eu perguntei por que ela queria que eu tocasse seus mamilos após Jim agredi-los, Debbie sorriu e disse-me que chupar seus mamilos faria sua buceta beber mais do esperma restante, e manteria o seu leite fluindo. Várias semanas depois, eu acordei ao som de Debbie doente. Eu não sabia qual era a causa de sua doença. No entanto, quando eu corri para o banheiro, Debbie olhou para cima e disse que estava tudo bem, provavelmente era apenas outra gravidez. Ajoelhei-me ao seu lado e abracei-a, como se dissesse a ela que eu a amava. Apenas alguns minutos depois, Debbie recuperou o controle de seu estômago, e John começou a chorar. Debbie olhou para mim e me pediu para mudar a fralda dele e trazê-lo para ela, pois tinha certeza de que ele estava com fome. Enquanto eu trocava o John, eu esqueci que eu não tinha nenhum laço biológico com ele. A única coisa que importava para mim é que eu era o pai dele, e isso nunca ia mudar. A agitação de John lembrou-me que Debbie estava esperando para amamentá-lo. Para minha surpresa, ouvi-me dizendo a ele para ser gentil com os mamilos da sua mãe, pois “Tio Jim” tinha sido especialmente duro com eles na noite anterior. Então, depois de entregar o John para a Debbie, eu me enrolei na cama ao lado deles, beijando a barriga ainda lisa da minha esposa. Assim que eu pensei em sugar o leite disponível no peito livre de Debbie, Cindy engatinhou até ela e sonolenta começou a beber o leite da sua mãe. Agora eu entendia o meu papel na vida...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
28/11/2013 21:32:18
Entendeu q vc é um corno manço? Fala sério,não sentir nem um pingo de prazer nesse conto,só raiva.

Online porn video at mobile phone


prono medico tira vigidade ñovihavideos de novimha perdendo a virgidade e chorando e perdindo pro namorando para q nao estar a guentando maishistorias eroticas heretossexuaishomens bobinho pinto fino viadoA empregada coroa negra da vizinha ta me querendo contos eroticoscasa do contos eróticos publicadoshome gozando cachara zoofeliapornocontos de sexo minha mae sento no meu colodeu banho na mae doente.pornoiradoxivideo porno novos negau gosou detrotravesti Levanta a mini-saia e senta na chapeleta do negãoXVídeos apavorou nua bêbada dormindo em cima da cama semconto porno minha mulher e sua amiga enfio o dedo no meu cucontos eroticos de cretes gravidas carentesfilha fica brava ao levar gosada dentrovídeos mulheres brasileiras chupano e morde pau DOS homensxvideocoroajapacontos fiz minha mulher foder com nosso filhoConto de encoxando a nora na cozinha escondidoestrasalhei a buceta da minha filhafoda lésbicas vazando espermá jorrandocorno vendo estanho soca forte na sua mulherwww.meninosgay.dandocuos melhores vídeos pornôs de cornos a mulher f****** com outro ele fala um monte de besteira para esposa escutarquero ver vídeo de pornô de mulher gostosa trepando dando a b***** até espumar de perna aberta até escorrer até babar a b*****docenandacontos eroticos meu pai me comeu quando estava dormindo wattpadxvideo esfolando a buceta com um cacetetefilme amiga convida amiga para funder com seu sogroconto erotico funk peladaperdi minha vingindade com meu cunhado ele mim fe gozar de tanto tesao desabadaescrava sexual virgemimausexo imarapaz com pau enorme na prai de nudismo no brasil e gostosa nao resiste e da p elepornopai g filinha arteiraContos de podolatria 2017XVídeos novinha com a b******** com cavanhaque de coraçãozinhosobrinho vigiando tia peladaestupro esposa contos eroticosContos eroticos humilhada e dominada pelo amigo do meu filho 2intiada chega em casa com o padastro roludo lica pra dar o cuzinho sexocoroa peituda de buceta peluda fidendo depois da festavidio eline falando seu nome eem qunto fode vidio pornocontos a janara me viu chupando a bucetinha da sofiacontos gay luiz virando mulherzinha na cadeiaTodas fotos.de.cabacinhos.das.novinhas.gostosa .i.kuzinhos.gostosofatos meninas crentes sendo enrrabadas com muito tesaocontos gays-categoria incesto gays forçado- maduro vs menino ninfeto- meu padrasto paulo"mulher que eu amo" casadoscontos.com.brmulher madtubano escritorio pornodoidotosa de peitinho arrebitado tomando banhomule tarada nuonibogostosa dançando fak pelada se es fretado uma na outra fudenomorri de pornô com a Gretchen chupando uma pista de um homem no vídeo pornôcunhada ajuelha na frente do cunhado e engole rolacontos eroticos gratis transformei minha esposa em uma putacontos eroticos transex minha irma e meu cunhado me transformo e bonecaporno filio seu. vai xegawww xvidios .com coroa recomprnsa a passada a mao na bunda delaxvideos meninas prencado mostrando a calcinhaContos eroticos dando banho na garotinhacontos erticos gang bang no nibus na ruacontos eróticos mae peituda e filho magrelovideo porno menina no colégio internato madre superiora vendoencoxoada nos onibus so gostosa de mini saia e calcaa agarradinhoprica cavala205XVDEOContos eroticos picantes peguei minha irmã safada dando negão pisudo eu quero ver uma mulher virgem sendo e******** pelo seu cunhado ela topadacazro goozando juntoscontos eroticos de trepadas com tias sacanasfilmes porno so conegona gordinha da buceta inchada e cabiludamarcelo strause aguilarcontos sogro coneu a nora no casamentocontos eiroticos leilapornvideo de mulhe rebolhadopassinho dos pirocudos de bhpelego pauzudo nuxvideo so novinha boguente no escritorio caseiroxvideos filio comedo amae ela noa aquetaconto erotico peguei no flagra meu pai comendo meu maridomulher de corno evando gosada no cu pornodoidocoroa casada sessentona inteirona fodendo com amante roludo