A primeira vez de uma bobinha.

Um conto erótico de Daniela
Categoria: Heterossexual
Data: 15/12/2013 11:19:54
Última revisão: 17/12/2013 17:09:05
Nota 9.91

A primeira vez a gente nunca esquece, principalmente se foi do jeito que a gente sonhou. Eu era virgem, cabaço mesmo, de beijo e tudo mais. Meu nome é Daniela, minha irmã, Patrícia e meu cunhado, Guilherme. Não falarei mais em nomes.

Minha irmã mais velha tava casada há poucos meses e eu achava o meu cunhado um gato. Desses de se perder a cabeça. E o cabaço. Foi isso que acabou acontecendo. Vou contar.

Furtivamente, eu o admirava, a ponto de ficar babando quando o via só de sunguinha no clube que frequentávamos. Babava e sonhava. Certo dia, cheguei à casa da tata, é assim que eu me referia à minha irmã, e entrei, sorrateira, pela porta do fundo. Passava da uma hora de uma tarde de sábado. Porta encostada, entrei e fui para a sala e imediatamente comecei a ouvir sussurros e gemidos. Minha irmã tava entrando na vara. Meu corpo incendiou. Fiquei na escuta, e imaginava a cena que ali poderia estar ocorrendo. No ápice da foda dos dois, corri pro banheiro e bati um siririca. Tive um arremedo de orgasmo. Orgasmo mesmo de fato eu ainda sequer imaginava como fosse.

Desde então fiquei com vontade louca de transar com o cunhado. Volta e meia eu melava as pernas antevendo o que poderia ser um sonho de dar pra ele. Não pensava em mais nada. Fazer sexo era uma prioridade; mas eu só sonhava com a parte doce da coisa. Ahaha!

Surgiu uma oportunidade. Lógico que eu ajudei a forçar a situação. Íamos acampar a beira do Tietê, numa estação turística bem próxima a Avanhadava. Um paraíso. Cenário perfeito para os meus intentos.

O dia transcorreu normalmente com brincadeiras gerais e algumas atrevidas de minha parte para com ele e sentia que era sutilmente correspondida. Sentia em certos momentos o olhar atrevido e ligeiro dele a despir minha minúscula tanguinha. Chegou à tardinha, a prainha foi ficando deserta. Acho que só nós é que íamos ficar acampados. Havia três barracas, de tamanho médio, onde ficavam duas ou três pessoas. Minha mãe e minha irmã escolheram ficar na barraca de o melhor colchonete. Meu pai, muito calorento, resolveu ficar alojado na van, Esqueceram de nós. Nem fiz questão de chamar a atenção. Já havia noite a algum tempo e eu então resolvi que devia dar uma mijada. Demonstrei medo e meu cunhado se propôs a me acompanhar. Nesse momento, já de propósito, eu vestia uma calcinha de cós baixo, e apenas a canga fazendo-se de saia. O banheiro tava uma lástima. Resolvi ir a céu aberto protegida em parte pela escuridão. Em parte porque havia uma tênue luz prateada de luar. Olha o romantismo aflorando. Rsrsrsr. Arriei a calcinha, agachei, sob o olhar indiscreto do cunhadão. Nem liguei. Mijei, levantei-me e suspendi a calcinha. Tudo sem pressa. De repente ele, virando um pouco de lado, sacou a pistola fora da sunga e começou a urinar. Um jato tão intenso que me lembrou a mangueira lá de casa. Estiquei discretamente o pescoço tentando desvendar melhor aquela misteriosa pica. Encerrou-se a mijada e o jeito foi voltar à rotina. Deitados na barraca e com assuntos esparsos, puxados apenas por mim, ia tentando achar um jeito de fazer as coisas desenrolarem mais a termo. Esperei um bom tempo e inventei uma nova mijada. Lá fomos nós. Desta vez levou-me pra um lugar mais afastado, sob a proteção de um quiosque.

Fiquei surpreendida com o atrevimento, em boa hora, dele. Perguntou-me se queria ajuda. Prontamente respondi que sim. Surpresa! Ele abaixou-se à minha frente, tirou-me a canga e foi abaixando lentamente a minha calcinha e à medida que ia me desnudando,fazia, como que, chupando cana. Balbuciando coisas ininteligíveis. A calcinha descia, minha xaninha ficava a mostra e eu entrava numa espécie de transe. Não parou aí. Fez com que eu me desfizesse totalmente da calcinha. Fiquei nua da cintura pra baixo, só de blusinha, e a leve friagem da noite me fazia arrepiada; toda arrepiada. –Mija, disse ele em tom jocoso. Gostoso, pensei. Abaixei e derramei alguns pingos de xixi. Não tava com vontade. Disfarcei e levantei. Fiquei exposta à frente dele. –Posso te enxugar? Fiquei atônita e só meneei cabeça afirmativamente. Ele veio com a mão espalmada e passou dois dedos pela minha bocetinha. -Ta molhadinha, falou e abaixando pegou a ponta da camisa e enxugou a xaninha. Repetiu a operação com os dedos. –Ainda ta molhada, repetiu e instintivamente encostou a cabeça na minha barriga e lambeu minha xota. Arrepiei mais do que já tava. Senti calafrios de tesão. Deixei tudo acontecer. Levava lambidas cada vez mais vigorosas. Abrias, mecanicamente, as pernas e assim ela podia alcançar mais fundo. Comecei a ficar meladinha, e ele sorvia tudo. Quase gozava quando ele se pôs de pé, tirou a sunga e exibiu o mastro intumescido pra mim. A pele tesa do caralho brilhava a luz da lua, agora já mais intensa. Naveguei em pensamentos e sumi do ar por instantes. –Posso de pegar no colo? –Pode, respondi tentando voltar à realidade. Agachou, ficou de joelhos e me puxou pra cima dele. –De cavalinho, disse. De cavalinho o montei. Senti a ponta rombuda do membro me cutucando a bunda. Mantive os pés firmes no chão, pois não sabia onde aquilo ia parar. Delicadamente ele segurou meu frágil corpinho no ar e por baixo, segurando a pica, me pincelavas as partes íntimas. Desde o butãozinho até o quase o umbigo. Eu delirava e tremia. E tome arrepios. Então senti a cabeçorra da vara desfolhando minha boceta. Abriu em leque e depositou a glande na entra da vagina. Entrou uns míseros três centímetros, se muito. Achou barreira. Meu cabaço ainda intacto. Forçou um pouco e eu dei um gritinho. Ele então calou a minha boca num beijo. Meu primeiro beijo num homem. Forçou a vara e me travou a língua. Depois ficou brincando de me levar e trazer só nesses três centímetros. Pra cima e pra baixo. Foi ficando bom de mais. Melava. Sentia escorrer. Lubrificava a verga, ainda calma. Quando eu me acostumava com a situação, ele me puxou e num tranco mandou quase ou um pouco mais da metade do pau na minha fendinha. Senti vertigem, parecia estar levando uma navalhada na vagina. A bucetinha queimava em fogo. Era o cabaço rompendo, abrindo o caminho para o paraíso. Desvencilhando-me do rótulo de menina moça. Tava verdadeiramente fodida. Senti o lado cruel da coisa. Mas a sensação de estar nas mãos daquele homem parecia compensar tudo. Era a natureza cumprindo seu papel. O macho dominando a fêmea. O macho quer, a fêmea obedece. Lei da vida. Firmei os pés no chão e senti uma vontade surpreendente de sair dali. De respirar e ver o que estava acontecendo. Escapei, ou quase. Quando estava quase fora do cacete, senti um novo puxão. Dessa vez, caraca, fui até lá em baixo. O mundo tingiu de vermelho. Era um fio de sangue a escorrer da minha virgindade. Tava feita. Apesar do preço. Que nada, delícia. Deu-me mais umas três ou quatro estocadas e me segurou embaixo. Beijo forte na boca. Aquietou-me, e em segundos senti o jato de porra subindo pelo pênis e depois me invadir por dentro. O pau latejava e o jorro vinha. Quente. Uma, duas, três vezes. Esvaziou-se pensei. Deu-me um beijo sôfrego, afrouxou as mãos, deixou-me liberta. Aproveitei e então saltei fora. Queria contabilizar perdas e danos. A boceta ainda doía. Levantei cambaleante e caí ao lado de joelhos. Urinei, agora pra valer. A bunda ficou exposta e então aconteceu o inevitável. Senti as mãos dele me agarrando por trás e antes eu pudesse esboçar qualquer reação levei outra calcada por trás. A verga, dessa vez, entrou mais suave, em termos. Tive um misto de prazer e dor. Mas ainda assim tava bom de mais. Levei uns cinco eternos e preciosos minutos de vara. Gozou, de novo aquele jato quente. Jatos ainda vigorosos. Inundou-me ela segunda vez. Senti prazer, um gozo ligeiro. Foi bom de mais. Ficamos assim juntos, de vara enfiada até o saco, uns quinze minutos, suspirando e admirando a lua prateada. Voltamos e fomos dormir.

Na madrugada avançada, senti as mãos dele me procurando. Foi me ajeitando, colocando me na posição de foda sem saber se eu queria ou não. Queria. O desejo foi aflorando e eu, meladinha, fui ficando pronta pra outra. E não deu outra. Levei ferro na madrugada; calada pra não fazer escândalo. Agora, fodida lentamente, no calor do tesão. Fui me embalando em desejos até alcançar o clímax. Aprendi o que era gozar. Ai que vontade de gritar. Mas haveria tempo pra isso. E houve tantos. Agora mesmo, estou indo pra casa dele. Sozinho em casa, avisou-me por sms. Lá vou eu. Ser feliz de fato e de direito.

Se você gostou ou não, por favor, dê a nota que eu mereça. Obrigada.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Sandrinha a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
01/03/2014 16:12:11
ótimo adorei! se der lê os meus, ou se tiver a fim de uma conversa picante adiciona no whatsapp
02/02/2014 01:37:16
Gostei e muito, extremamente convincente e gostoso. Um beijo!
01/01/2014 22:56:46
Muito bom continua
17/12/2013 01:26:40
Adorei mas se eu fosse ele eu teria secado sua bucetinha com a lingua com certeza.. sou louco pra ver e sentir uma garota fazer xixi em mim
15/12/2013 17:44:23
Excitante, bem escrito, intrigante! Escritora muito boa. Nota 10 pra vc
15/12/2013 15:29:14
muito bom nota 10
15/12/2013 11:49:31
Adorei seu conto e adoraria poder tirar seu cabaço tbm não só da boceta mais tbm do seu cuzinho.nota 10
15/12/2013 11:27:25
Que delicia hein muito bom cunhadinha safada se cuidar direitinho vai ter rola pro resto da vida hehe...passe para ler os meus tb e deixe sua nota porque aqui a minha e dez

Online porn video at mobile phone


Ver mulheres deitada com a buceta sem calcinha e a bertinha saino galapornobicosdetetasenteada amostrando peitao p o pai na frente da mãeso bosrtonacontos heroticos minha bbzinha mi chupouconto erotico gay travesti velha esculachada por negaoimagem de bucetinha vemelhinha saido sangue genro e sogra contoIrmao come cú irma dormímdo ela gostaXvideos saindo da pedra acriscontos eróticos o branquinho quitandeironovinha se torce ao entrar rola gigantesca nelafoto.flagas.itiadas nuascontos eroticos minha primeira siriricaXvidios cornos de nefinhasLove Boy-CASA DOS CONTOS EROTICOS |zdorovsreda.rucontos eiroticos leilaporncontos novinha corno gang putinha forçadaContos eroticos mamae gulosa mamando no pauzao do filho e dos amigos dele e depois fode com todos eles juntos em uma orgia na sala de casa.Contos bi casais bi.xxvideo comeu a prima na saladormindox vidio comtos eroticos flaguei minha irmã avómenino malhado lutador de kung fuporno novinha foi cariciada na escola contosconto erticos e eu os moleqes tocamos varias punhetscara safado de perma e sen cueca de pau duro provocando a cunhadaxvideo vou contar como transei com minha inquilina da bunda grandeeu e minha mãe fudemos com o pedreiro e seu ajudante enfianp atr o talo no cuContos eroticos eu e minha amiga viramos putinhas desde pequeninhaVidios porno loirinha magra consegui colocar.um pau de 60m no cu xvidios.comxxx vídeos novinhas aproveitando que a sua mãe saiu no pornô irado205XVDEOcontos erotico de puta dando da a buceta pro mendigoconto eroticom boa noite cinderelamundobicha policial me revistando na estradasogra dava nevosa com genro.pornoirado.contos de surubas inesperadas com esposanovinha e pinininha no sexo com pauzudoxvvidios so negaisQuero da minha buceta para o Adilsonsexo a 3 casal liberal chama amiga de chortinhovídeo pornô com Edinalva com a b***** bem cabeludaporno engoliu a porra e catinou mamanogordinha paresendo emanueli nuacontos: consegui convencer minha esposa ao culckoldingxvideos careca comendo cuzinho da fujonaporno vizinha de 14anaos de idade de chortinho curto o vizinho comequeru ver filmi u pai tentano come afilha di dozi anu em cuantu a maedormianal brasileiro. uncesto irmao. comendo. ocu da irma. ela dizendo .que doi muitoencoisto nuonibumoleque enchem praia nudismonovinhas.abrir.buzentaescorregando n cu sem qerer e acabou entrando xvidioo homem pegando a mulher traindo ele em casa lavando secando a madeira no rabinho delacontos erotico minha esposa rabuda e meu tio 8gostosa gordinhas tirando cabeçazoofilia buceta de cadela no pal grande do safadoxxvideo encostada maliciosaxvldeos com novlnhasxvporno de novinha de dezeseis anosde vestido trazandocontos eroticos minha esposa no forrocontos eroticos: sou amante da minha tiavídeo pornô eu estava dormindo a bunda e 20:13 me comeu na marrax videos minha mãe beba deitadoeu comi elaputa segurando a pica do taxista cariocasogro dotado fragou nora com outro troxe ela pra casa e fudeu elatitio comendo osobrio nosofa vidio gayarreganhada, arrombada fodida arregacada chorei contos eróticoslactofilia porno em sao carlos spvarios machos fazendo reforma na casa do corno termina fazendo gang gang com sua esposa puta tarada por rolacontos erótico- filho meu principexvideos gay 24CM de cueca boxer-youtube -site:youtube.comConto erotico quado dei leitinho para minha filhaenfiano anter o cotovelo no travestisAs lidas esposas xvidiocamadre simone que fuder caseiroirma normalista - contos eróticoscontos eiroticos leilaporn