Felipe - Parte I - O mio babbino caro

Um conto erótico de YL Maestro
Categoria: Homossexual
Data: 13/08/2019 00:56:03
Última revisão: 13/08/2019 11:50:23
Nota 10.00

Já se faziam dois meses que Felipe trabalhava para mim. Eu estava absolutamente fascinado com a capacidade daquele garoto de gerir a minha vida de artista. Eu continuava trabalhando na companhia, ele trabalhando para mim todos os dias. Todos estavam satisfeitos com ele. Ele era gentil, uma pessoa extremamente doce, era solícito, bondoso e agradável. Tudo aquilo que eu não conseguia ser. Minha arrogância por ser a estrela máxima da companhia havia me subido à cabeça. Mas enquanto eu estivesse fazendo o meu trabalho com perfeição, eles não me demitiriam.

Minha voz era aclamada pela crítica. Vinham muitos críticos, músicos experientes, professores de canto, para presenciar, nas minhas apresentações o Farinelli dos novos tempos, esse era um dos meus apelidos. Mas eu tinha muitos inimigos. Dentro e fora da companhia.

Quando cheguei para estrear ali, depois de 6 anos de estudo, dos meus 6 aos 12, tomei a posição de dianteira na corrida pelas apresentações mais importantes. Árias muito famosas como A rainha da noite, de Mozart, Cario mio ben de Giordani eram apresentadas por mim que em tão pouco que havia chegado e tomado aquele posto.

Felipe me acompanhava para cima e para baixo. Naquela semana iríamos para São Paulo. A mais importante apresentação do início da temporada. Era o início do ano mais importante que eu teria até então. O Solista principal fazia 3 apresentações. As 3 selecionadas eram Strano, Sempre Libera e em dupla, Les Fleurs Duet, que Marion, um falso soprano, assim como eu, faria comigo.

Cheguei, por infortúnio do destino, duas horas mais cedo no teatro onde aconteceriam os ensaios. Mariel, irmão gêmeo de Marion, que era carinhosamente apelidado de Olive, por causa de seus belos olhos verdes que sempre mostravam doçura, se espreitava pelo corredor que passava pela frente do meu camarim e seguia para o camarim do diretor musical, Genelle. Achei aquilo bastante estranho e Felipe seguia atrás de mim, ambos a passos bem lentos, para justamente não sermos escutados.

Mariel entrou no camarim de Genelle e fechou a porta. Mas porque ele estava ali? Porque se esgueirava pelo corredor, empertigado, como se fosse fazer algo que não devia. Eu e Felipe olhávamos um para o outro, achando aquilo demasiadamente estranho.

Continuamos seguindo passo a passo, pé ante pé e bem silenciosos para a porta do camarim.

Ouviam-se gemidos. Dava para perceber que eram gemidos de Genelle, dado a sua voz grave e profunda. Então escutei a voz de Mariel. Algo estava mais errado ainda.

Mariel pedia a Genelle que o desse o meu lugar. E que para aquilo faria várias de suas vontades sexuais.

Naquele momento eu senti fraco. Enojado. Triste e com muita, muita raiva. Sentia fraco diante de toda aquela situação. Eu era jovem. Era talentoso. Mas não havia tomado muitas pancadas da vida, até aquele momento.

Enojado pelo fato de ter que dividir o mesmo teatro, o mesmo mundo com uma pessoa capaz de ceder às bestialidades de um homem de quase 70 anos, casado, com netos já, que por mais que fosse um senhor, era extremamente bem apanhado, para tentar derrubar um colega que estava ali porque aquilo lhe era de direito.

Abruptamente abri a porta. Quase um coice, com raiva, furioso. Olhei para Mariel que encontrava-se ajoelhado à frente do nosso diretor, com seu membro em suas mãos.

Vi Mariel com aquele membro em riste em suas mãos. Genelle estava apenas usando as calças e ainda assim desabotoadas, caídas aos pés. Mariel estava ajoelhado, sem camiseta, mostrando que possuía um físico invejável, que somados aos seus cabelos louros, típicos de quem nasceu e cresceu em família italiana. Era um homem belíssimo no auge de seus 23 anos e com muito talento para cantar.

Eu ri de desdêm. Abri a boca para falar, mas não o fiz. Ao invés disso, cantei Lucia, num tom muito alto até para sopranos de imensa coloratura. Bati a porta. Sai para o meu camarim.

Felipe me seguia. Ele estava branco de susto com aquela situação. Eu estava em puro ódio. Abri a porta do meu camarim numa mistura de ódio e nojo. Como alguém consegue ser tão baixo. Felipe tentava me acalmar. Dizia para manter a calma. Amanhã Joseph Cleiber iria chegar, o chefe geral da companhia.

Mas eu não conseguia me acalmar. Queria avançar no pescoço daqueles dois. Enforcá-los até perderem a última molécula de ar dentro dos pulmões.

Felipe falava para eu manter a minha calma. Para não fazer nenhuma besteira. Ele também sentia raiva, sentia nojo de uma pessoa como Mariel. Pensei por um momento que eu fosse vomitar.

Corri para o banheiro do camarim pensando que eu colocaria tudo para fora. Mas fora somente um alarme falso.

Eu agora chorava. De raiva e de tristeza.

Sabia que tudo aquilo estava acontecendo não era de agora. Que haviam acontecido outras vezes, com outras pessoas que tentaram tomar meu posto.

Eu falava com Felipe, questionando o porquê aquilo acontecia comigo. Eu só fazia o meu trabalho. Só queria ficar em paz. Nem toda a minha arrogância e amargura com aqueles que não gostavam de mim fazia que eu pudesse ter sossego para trabalhar em paz.

Eu falava alto. Quase aos berros. Era muita raiva. E essa raiva parecia não ter fim dentro do meu peito.

Os olhos de Felipe eram calmos. Ele deixava que eu esbravejasse aos 4 ventos e que amaldiçoasse à torta e à direita. A raiva aos poucos foi dando vazão e então comecei a ser cometido por uma profunda tristeza.

As lágrimas de ódio começaram a se transformar em lágrimas de melancolia e de uma solidão que eu sentia dentro de mim. Uma espécie de aflição. Que começava a me deixar dormente.

Os olhos de Felipe parados ali à minha frente, me olhavam como se fossem puro açúcar. Plácidos e calmos como um lago na primavera.

Desviou seu olhar de mim para a mochila que estava no sofá ao seu lado. Ainda calmo como nunca, uma sensação completamente diferente da minha.

Eu soluçava de tanto chorar enquanto ele colocava uma suave música para tocar. O mio babbino caro. Essa música me acalmava e ele sabia disso.

Segurou em minha mão e me puxou para si. Me fazendo sentir um abraço que possuía uma ternura, um carinho que eu não conseguia explicar.

Eu me acalmava com a cabeça em seu ombro com ele acariciando meu cabelo. Aquilo me fazia quase adormecer.

Ele disse para me acalmar, porque eu era a estrela dele e estrelas brilhavam por si só.


Este conto recebeu 0 estrelas
Estamos testando um novo formato de votação. O ranqueamento será feito não mais pela média, mas apenas pela soma das notas oferecidas. As notas também serão apenas de uma, duas ou três estrelas. Isso deve evitar que haja quedas repentinas do ranking por conta de ataques por alguém que queira manipular os resultados. Se tiverem dúvidas, .

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/08/2019 23:14:17
Show
13/08/2019 21:31:31
INTERESSANTE. HISTÓRIA DE CIÚME, INVEJA, ESTRELISMO ETC. CONTINUE
13/08/2019 08:24:35
continua

Online porn video at mobile phone


contos de esposas com short mostrando a papada da bunda em casaOkara comedo viadosogra dava nevosa com genro.pornoirado.selinho no grelhopai chupaeu grelinho porno doidoxvideo arrombando o cuzinho preto nao pagou o aluguel levou rola no cuWww xvideo.com depiladora ñ resistiu a picabia cordinha fudenocontos meu genro me comeu a forcanovinha virgem no vídeo caseiro transando com padrasto e botando a Nova Palmaconto gay cacetao tiocontos eroticos na escola com inspetorso contos de ecestos e estruposcontoerotico.com/ irma8porno: lésbicas loucas ralando no chão enfiado a mão no rabotati vaqeira nua nasiriricafugio da aula para da buceda e leva gozada tendrocontos eroticos menino esfolo minha esposacontos eróticos meu amante me come olhando pra minha filhapicao no cu arma na cabeça xvideosxvideos pai come a filha na frente da mae que noa teve coragem de fazer nadaContos eroticos ajudando o irmaoso no buceta da novinha e ela chamando kauanContos.encesto.mae.silmentawww.vacas cavalas quartudasconto crente cornocorneado e enrabado pelo primo pirocudo contosxxvideo vibrador dentro do cuzinho vibrandocontos eroticos - an american taledeu sonífero para sogra e comeu a b***** delacontos eroticos casada deu para o vigiaContos zoofilia d mulhers q se engataram com cachorro na posisao papai e mamaeMansinho shortinho atolado bunda corno contoxvideo quase rubiaebeto tanzadoxvideos clube das mulheres subindodo escadavelhos pintudos andando na praia nudistas videosxvidio minha esposa na zoofeliacontos eiroticos leilaporncontos safados mais interessantes casada mae filha fazem sexo com gero dotadoscontos eroticos br. meu primo me fudeConto erotico comedor de casadasxvideos filmes antigo com mulatas fujonasmulher ve cara batendo punhwta e pede pa chupar e beberos viodeos de sexos os dotadoes das piconasXvideo quebrarao o cabaco do meu cu vou contar como foirelatos eróticos porca nojentaconto gay lavando o carro de cuecagosando dentro da buceta d egua d raçanegao pega coroa desraida mete a rolamamae sentou no meu colo e eu nao resistir e comi ela contos erpticosrobson dando o cu para outro homemporno mae sete o pau no abracocomo meu tio roludo e comedor comeu minha esposa novinha 1° contosmulheres fudendo na obra fqcontos de incesto mãe ensinando filha a da bucetinha na infânciaxvidio puta lizinha mininhaonde fica localisada contoseroticos minha cunhadavideo de mae assustada com o tamanho do cassete do filholeitinho do padrinho contos gaya infidelidade da irmã resolve dar a buceta ao irmão mais novogostosa dormindo em cima do sofá e LevanteX padrasto fraga enteada gostosa se consolando com pena de Borracha grande xvideos encetos brother setervideos porno eu estava dormindo e ele chupou a minha bucetinha e eu noa acordeipadrasto com o pauzao jigante e cabecudo botano a enteada pra chuparmulata safada gosto da vara do roludo e traiuconto eroticom boa noite cinderelavizinha do intestino curto fodendocompetição de nudismo pintudos mais cabeçudoxvidro fudendo a imao vigemSobrenatural-Contos Eroticos zdorovsreda.ruContos eróticos emfiaram o braço na minha bucetonaconto erotico garotinha cagando na varaabaxa vidio porno mas safado brasileiro de tio fudeno supria só nucu da safadacontos eroticos tirei a virgindade do meu ermao bem novinhoconto eroticoesposa submissabranquela teve a bunda arronbada pelo negao a porra coreu ate o chaoO verdadeiro marido Corno . . . Simplemente adora lamber o clitoris da esposa . . . Enquanto o amante dela enche sua buceta de Porramarido metendo na esposa com um comssolo encachado no pau enormeconto erotico meu marido me viu dando o cu e gostouviado tocando punheta para o homem fazendo fio terra e gozando tudo na mãoporno nao guentou etentou fugir gigenminha tia me esfreganos peitos e pega no pauminina botando a pica de um ecuino na bucetacontos erotico,meu genro me enrrabou dormindomorena de calcinha fiu se tocando visgando de tezaocontos erótico tenho um amante e meu marido o sabe sexo gayvideos de mulheres ficando toda impinadinha ao perceber a encoxadaWww flagrou a esposa sendo arrombada buceta peluda buraco grande e arrombada .conto reallipesonhador casa dos contos gayContos erotic eunovinha escondida vendo irmao menor se mastubandoXvideo ninazinhamotorista de madame conto eroticocache:O6GiaR9Gb0sJ:zdorovsreda.ru/texto/20180120 contos eroticos presos enrrabados na cela Contos eroticos de sexo com genroso contoseroticos completos no sofa do padrinho maria alice deu ate o cuzinholoirassa rabuda contos eróticos conto erótico esfolei o cu e a buceta dela com raiva