Felipe - Parte I - O mio babbino caro

Um conto erótico de YL Maestro
Categoria: Homossexual
Data: 13/08/2019 00:56:03
Última revisão: 13/08/2019 11:50:23
Nota 10.00

Já se faziam dois meses que Felipe trabalhava para mim. Eu estava absolutamente fascinado com a capacidade daquele garoto de gerir a minha vida de artista. Eu continuava trabalhando na companhia, ele trabalhando para mim todos os dias. Todos estavam satisfeitos com ele. Ele era gentil, uma pessoa extremamente doce, era solícito, bondoso e agradável. Tudo aquilo que eu não conseguia ser. Minha arrogância por ser a estrela máxima da companhia havia me subido à cabeça. Mas enquanto eu estivesse fazendo o meu trabalho com perfeição, eles não me demitiriam.

Minha voz era aclamada pela crítica. Vinham muitos críticos, músicos experientes, professores de canto, para presenciar, nas minhas apresentações o Farinelli dos novos tempos, esse era um dos meus apelidos. Mas eu tinha muitos inimigos. Dentro e fora da companhia.

Quando cheguei para estrear ali, depois de 6 anos de estudo, dos meus 6 aos 12, tomei a posição de dianteira na corrida pelas apresentações mais importantes. Árias muito famosas como A rainha da noite, de Mozart, Cario mio ben de Giordani eram apresentadas por mim que em tão pouco que havia chegado e tomado aquele posto.

Felipe me acompanhava para cima e para baixo. Naquela semana iríamos para São Paulo. A mais importante apresentação do início da temporada. Era o início do ano mais importante que eu teria até então. O Solista principal fazia 3 apresentações. As 3 selecionadas eram Strano, Sempre Libera e em dupla, Les Fleurs Duet, que Marion, um falso soprano, assim como eu, faria comigo.

Cheguei, por infortúnio do destino, duas horas mais cedo no teatro onde aconteceriam os ensaios. Mariel, irmão gêmeo de Marion, que era carinhosamente apelidado de Olive, por causa de seus belos olhos verdes que sempre mostravam doçura, se espreitava pelo corredor que passava pela frente do meu camarim e seguia para o camarim do diretor musical, Genelle. Achei aquilo bastante estranho e Felipe seguia atrás de mim, ambos a passos bem lentos, para justamente não sermos escutados.

Mariel entrou no camarim de Genelle e fechou a porta. Mas porque ele estava ali? Porque se esgueirava pelo corredor, empertigado, como se fosse fazer algo que não devia. Eu e Felipe olhávamos um para o outro, achando aquilo demasiadamente estranho.

Continuamos seguindo passo a passo, pé ante pé e bem silenciosos para a porta do camarim.

Ouviam-se gemidos. Dava para perceber que eram gemidos de Genelle, dado a sua voz grave e profunda. Então escutei a voz de Mariel. Algo estava mais errado ainda.

Mariel pedia a Genelle que o desse o meu lugar. E que para aquilo faria várias de suas vontades sexuais.

Naquele momento eu senti fraco. Enojado. Triste e com muita, muita raiva. Sentia fraco diante de toda aquela situação. Eu era jovem. Era talentoso. Mas não havia tomado muitas pancadas da vida, até aquele momento.

Enojado pelo fato de ter que dividir o mesmo teatro, o mesmo mundo com uma pessoa capaz de ceder às bestialidades de um homem de quase 70 anos, casado, com netos já, que por mais que fosse um senhor, era extremamente bem apanhado, para tentar derrubar um colega que estava ali porque aquilo lhe era de direito.

Abruptamente abri a porta. Quase um coice, com raiva, furioso. Olhei para Mariel que encontrava-se ajoelhado à frente do nosso diretor, com seu membro em suas mãos.

Vi Mariel com aquele membro em riste em suas mãos. Genelle estava apenas usando as calças e ainda assim desabotoadas, caídas aos pés. Mariel estava ajoelhado, sem camiseta, mostrando que possuía um físico invejável, que somados aos seus cabelos louros, típicos de quem nasceu e cresceu em família italiana. Era um homem belíssimo no auge de seus 23 anos e com muito talento para cantar.

Eu ri de desdêm. Abri a boca para falar, mas não o fiz. Ao invés disso, cantei Lucia, num tom muito alto até para sopranos de imensa coloratura. Bati a porta. Sai para o meu camarim.

Felipe me seguia. Ele estava branco de susto com aquela situação. Eu estava em puro ódio. Abri a porta do meu camarim numa mistura de ódio e nojo. Como alguém consegue ser tão baixo. Felipe tentava me acalmar. Dizia para manter a calma. Amanhã Joseph Cleiber iria chegar, o chefe geral da companhia.

Mas eu não conseguia me acalmar. Queria avançar no pescoço daqueles dois. Enforcá-los até perderem a última molécula de ar dentro dos pulmões.

Felipe falava para eu manter a minha calma. Para não fazer nenhuma besteira. Ele também sentia raiva, sentia nojo de uma pessoa como Mariel. Pensei por um momento que eu fosse vomitar.

Corri para o banheiro do camarim pensando que eu colocaria tudo para fora. Mas fora somente um alarme falso.

Eu agora chorava. De raiva e de tristeza.

Sabia que tudo aquilo estava acontecendo não era de agora. Que haviam acontecido outras vezes, com outras pessoas que tentaram tomar meu posto.

Eu falava com Felipe, questionando o porquê aquilo acontecia comigo. Eu só fazia o meu trabalho. Só queria ficar em paz. Nem toda a minha arrogância e amargura com aqueles que não gostavam de mim fazia que eu pudesse ter sossego para trabalhar em paz.

Eu falava alto. Quase aos berros. Era muita raiva. E essa raiva parecia não ter fim dentro do meu peito.

Os olhos de Felipe eram calmos. Ele deixava que eu esbravejasse aos 4 ventos e que amaldiçoasse à torta e à direita. A raiva aos poucos foi dando vazão e então comecei a ser cometido por uma profunda tristeza.

As lágrimas de ódio começaram a se transformar em lágrimas de melancolia e de uma solidão que eu sentia dentro de mim. Uma espécie de aflição. Que começava a me deixar dormente.

Os olhos de Felipe parados ali à minha frente, me olhavam como se fossem puro açúcar. Plácidos e calmos como um lago na primavera.

Desviou seu olhar de mim para a mochila que estava no sofá ao seu lado. Ainda calmo como nunca, uma sensação completamente diferente da minha.

Eu soluçava de tanto chorar enquanto ele colocava uma suave música para tocar. O mio babbino caro. Essa música me acalmava e ele sabia disso.

Segurou em minha mão e me puxou para si. Me fazendo sentir um abraço que possuía uma ternura, um carinho que eu não conseguia explicar.

Eu me acalmava com a cabeça em seu ombro com ele acariciando meu cabelo. Aquilo me fazia quase adormecer.

Ele disse para me acalmar, porque eu era a estrela dele e estrelas brilhavam por si só.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/08/2019 23:14:17
Show
13/08/2019 21:31:31
INTERESSANTE. HISTÓRIA DE CIÚME, INVEJA, ESTRELISMO ETC. CONTINUE
13/08/2019 08:24:35
continua

Online porn video at mobile phone


minha mulher de peito e Tonzinho XVídeosfernanda puro desejo gamg bang contoswww.videos de lactofilia com animais.comminha cunhada casada crente ela ficou apavorada quando eu entrei com meu carro no motel conto eróticogostosas apimentadinha de tesaohttp://comto erotico massagista erotica colocando dedo no c da menina virgemxvideo de hmenconto erotico velha casada banca negao pirocudoxvdeo.velho punhetriroconto mulher evangelica gravida de outromotorista olha do retrovisor do onibus coroa pagando calcinhaAE cristal de futibol Amador de Cristalinacontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgepamico ma forretas sex traza sexx vidiu pono negau turado uma loira insima da cama ela gritado eo negau.garadous mas lindu buctaoxvideo cunhado com o pau Grosso pra um bouquet Galaxia no cacete todinho dentro da b***** da mulherdia chuvoso no carro do amigo do meu marido acabei dando ate o meu cuzinhocontos eiroticos leilapornfilhinha da a buceta para irmao e padrastomédico explicado chupar bucetas doença transmitifei a buceta pro meu primo mais novo contos eroticosminha tia magrinha enrrabado por um criolapasei amao nela eila goistou nuonibuFotos de mulher dano o cuzinho vai nlvinhadepilacao vencida contosgordo careca e sua esposa chupando um pinto juntosxivideo com mulhe senta na cosolo e gosa no cuComtos eroticos de mulheres q bateram punheta pra cachorroContos eroticosveterinaria zoofilia cavalocontos eiroticos leilaporncontos porno gratis estupro sadomasoquismo submissãoxvideo brasileiro onde tia dorme mais sobrinho na mesma cama nú acarradosvidios porno mae dilinhoxsvideo de porno itiada fudeno com padrastomeu enteado me estrupoucontos incesto xota enrabadaXVídeos só de traques arrumadinhafomos fazer um 69 e enchi a boca de minha esposa de porravídeo baixinhas quadril grande agachada de costas de quatrocontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgemenino cumedo sua tianovinha do canil conto eroticocontos eroticos de mulheres evangelicas que adoram provocarcontos eroticos maduras gosto de homens tarados e de piça gg liloca faz ananl pa ter akele raboirma punheta toma leiteconto gay soquei100foto cu e grelo peladaxvideo mulher filha dando pro amigo dentro de casa escodida da maeconto erotico gay vovo deu leite pro netinhoX padrasto fraga enteada gostosa se consolando com pena de Borracha grande gordinha que dá de bruço com a b***** depiladinha gêmeascontos eróticos de meninas de 25 anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinhos vermelhoscontos eroticos sendo arrombada por dois machos que chupam gostoso minhas tetasnando ta duendo nando ai minha buceta nando ceta poinhndo tudovideos de cornos que aguarda ansioso sua esposa voltar pra casa escorrendo porra de outro toda melada na bucetamarcelo fudeno numa cadelavideo porno mamãe viuva saiu pra dar uma metidinhacontoprimeirafodanovela tieta do agreste transando com sobrinhoPijamar levo a picaxvideoscuzao areganhado p cavaloporno doido teste en cascavelMulhe morena mostrando busetonha gostosa e um poquinho de cabeloContos erotico gozando dentro tendo aidsconto erotico de tia e sobrinho evangelicoso contos de ecestos e estruposconto erotico gay amou minha bundacontos eroticos amiga apostando o cufilha casadinhaquer picocawww.sexo tia ver o sobrinho batendo poilheta e da para ele.com.brvidio de peixe chupeteirocontos de crossdresser forçadodominando um casalmoleque enchem praia nudismoWww.contoeroticocrente.comvídeos tratantes no ônibus contos eroticos dei a bundinha por balasflagas pirno homem motrando pau gozando pea novinha coriosa dentro de onibusAs Panteras estrupo carreteiro caminhoneiroler contos eroticos menagecontos porno gratis estupro sadomasoquismo submissãoBem novinhas apertadinhas fudendo com coroas dotados sentiu dor no zap zapconto sou crente casada carente provocando os pedreiromarido se assusta vendo a quantidade de porra que sua esposa derrama no pau do outro caracontos eroticos casal com prostitutaXVídeo pornô irmão não dispensa a b******** da irmãconto descobri que sou cornosarrando uma novınha