O Cu Doce da Alessandra

Um conto erótico de Mau Doce
Categoria: Heterossexual
Data: 03/03/2020 02:28:26
Última revisão: 26/03/2020 00:52:24
Nota 5.00

- Amor, eu estava pensando, faz três semanas e quatro dias que a gente não transa!

Devo admitir que fiquei surpreso com a declaração dela. A gente namora há alguns meses e ela sempre resiste a tentação antes de dar. Eu sei que se eu insistir um pouquinho com beijinhos, toques sem vergonhas, palavras abusadas e soltando o sutiã sem pedir licença ela fica toda molhadinha e acaba dando. Mas só depois disso. Antes ela sempre tem uma desculpa para não fazer. Ai, teve um dia que a amiga feminista dela veio me falar sobre assédio. Eu não sei se foi alguma indireta, mas, antes de eu me incomodar, parei de insistir e assim ficamos só de beijinhos, amassos, cinema, e por aí vai, mas nada de sexo. É a primeira vez que ela pede para ser fudida sem precisar de ajuda. Ouvi dizer que a gente precisa recompensar sempre que vê algo positivo acontecendo, então não perco tempo e dou um beijo bem dado, um abraço apertado e chamo ela de amor e tal. Ela está tão mimosa hoje!

Infelizmente a gente está meio longe de qualquer lugar adequado para transar. Estamos no campus da universidade do lado do restaurante. Não tem ninguém por perto, mas nunca se sabe. Bem perto dali tem um diretório acadêmico com uns zé droguinhas e do outro lado só tem mato. Só nos resta ficar por ali se amassando até a hora da aula. Nos despedimos no auge do tesão e vamos, cada um, para as nossas salas aula.

O dia transcreve normalmente, a mesma coisa de sempre: aquelas aulas enfadonhas com professores cheios de títulos e de grandes egos. A noite recebo uma mensagem da minha amada, ela está me esperando do lado RU, o mesmo lugar onde a gente se despediu mais cedo. Então me guio pela escuridão do campus até lá. O restaurante já está fechado, a maioria dos alunos já foi embora. Não demora muito para eu ver ela ali parada olhando para os vagalumes na mata. Ela quer ficar por ali curtindo aqueles vagalumes, as estrelas, falar de amor, mas… não tá afim de ir pra minha casa pra gente transar. :-(

Cara, quase um mês sem sexo! Que se foda esse papo de assédio!! Se é que insistir um pouco é de fato assédio. Começo encoxando e dando beijinhos inocentes no pescoço. Em pouco tempo minha mão já está dentro das calças, mas ainda por fora da calcinha. E ela já dá o primeiro gemidinho. Sinto a umidade se espalhar pelo tecido daquela calcinha muito rapidamente. Ela vira a cabeça para mim e me chama de safado, depois me dá um beijo gostoso e puxa meu braço pra fora das calças, se vira, fica de frente pra mim e diz.

- Não vou transar contigo aqui.

Ela mal fala isso e fica me olhando com aquele sorrisinho maroto. Eu me aproximo e prenso o corpo dela entre o meu corpo e um parapeito logo atrás dela. Ela me olha com aquele olhar de moleca e fecha os olhos um segundo antes de nossos lábios se encontrarem.

Na verdade eu acho muito excitante esse jogo, gosto de me sentir irresistível. Ela sempre começa com um "hoje não" mas seco e decidido, mas aos poucos os "nãos" vão ficando cada vês mais suaves e no fim já são misturados com gemidos. Aquele "não" gemido é de enlouquecer!

Logo depois do beijo ela roça a testa dela na minha e diz:

- Mau, a gente não pode transar aqui!

- Então vamos pra minha casa.

- Não posso! O que que eu vou dizer aos meus pais?

- Diz que vai ficar na casa de uma amiga.

- Eu já dei essa desculpa a semana toda. Uma hora eu tenho que voltar pra casa!

Ela roça a testa dela na minha e amassa o meu nariz com o dela. Dá pra ver que ela está louca de vontade. Uma semana! Sim, ela ficou uma semana lá em casa. A gente dormiu juntos todas as noites, tomamos café da manhã juntos, almoçamos juntos, jantamos e até tomamos banho juntos. Tudo regado de muitos amassos. E não fizemos sexo!! =/

- Tu não tem dó das minha bolas, né?

- CALA A BOCA!! HAHAHA! Tadinho!

Então eu volto a beijar sua boca, abraço ela com força arrancando um gemido. Logo minha mão já está dentro da blusa dela e corre em direção a seus seios. Coloco minha mão por dentro do sutiã, sinto aquele mamilo durinho ali dentro.

- Pára, Mau! - diz ela gemendo e com os lábios ainda encostados nos meus.

Enquanto isso a outra mão está segurando aquele bumbum carnudo. Ela diz que não pode, e que não vai, mas em seguida me beija na boca e mete a mão por dentro das minhas calças, agarra meu cacete e geme enquanto esfrega sua bochecha na minha.

Ai toca o telefone. Ela tampa a minha boca com a mão e atende.

- Oi, mãe, que foi? …. Sim, eu já estou indo, estou esperando o ônibus.

A velha fala umas coisas que eu não consigo entender com uma voz meio histérica.

- Eu sei, mãe! Daqui a pouco eu estou aí! …. Tá…. Até mais.

Ela desliga o telefone e diz:

- Viu porque eu não posso ficar contigo hoje? Se eu ficar eu estou fudida!

- De fato, literalmente.

- Cala a boca, Mau! Kkkkk! Não vou dar pra ti hoje!

Ficamos um pouco ali até decidir que temos que ir embora, mas acabamos não indo. Como quando se acorda de manhã e se fica enrolando para levantar da cama, sabe? Ficamos abraçados, com a cabeça dela embaixo do meu queixo por um tempo. Depois ela coloca a mão dela por debaixo da minha camiseta, passando a em meus peitos. Eu a acompanho, mas enfio minha mão pelas costas e solto o sutiã dela. Ela me olha e faz uma cara de braba, agarra meus braços e afasta minhas mãos do corpo dela. Eu chego a acreditar que ela irá embora agora, mas ela simplesmente me olha mais um pouco e depois me abraça.

- Ai, eu não quero ir pra casa!! - diz ela meio chorando.

Meu cacete está totalmente armado e mal cabe na minha cueca apertada. Ela fica o tempo todo encostada em mim, ainda tem aquele cheiro de sabonete e shampoo, apesar de ter ficado a tarde inteira no campus.

- Uau! Acabei de ver uma estrela cadente. - digo eu só para ela se virar.

Ela se vira para olhar o céu e encosta aquela bunda em mim. Eu abraço ela por traz e mordisco sua orelha arrancando mais um gemido. Ela olha para o lado do diretório acadêmico para ver se tem alguém ali. Está tudo vazio. Ela levanta um pouco a cabeça para olhar mais adiante. Ninguém a vista. Ela quer fazer, mas os pudores não estão deixando. Só tem um jeito de ela ceder, o tesão tem que ser maior que a vergonha. Assim as mãos do Mau entram, uma por debaixo da camiseta até os seios e a outra desce pelas calças até a bucetinha. O buraco está tão molhado que já está quase fazendo uma marca nas calças!

- Ai, Mau! Ahh! Pára safado!

Os mamilos estão tão duros que até parecem duas pedrinha. Ela instintivamente dá uma reboladinha de leve. Meu cacete está encaixado no vale daquela bunda. É só uma questão de tempo para ela abaixar as calças na minha frente.

De repente alguém grita alguma coisa. Ela se assusta e olha ao longe. É só um cara chamando outro ao longe, eles logo vão embora. Eu já imagino que perdi a batalha, ela logo vai dizer "chega, eu não posso passar a vergonha de ser vista fazendo isso aqui", mas acontece que seus mamilos continuam durinhos e assim que o susto passa ela volta a gemer baixinho.

Ela balança a cabeça de um lado para o outro num sinal de não. Depois ela volta o rosto para minha direção e diz.

- Amanhã tu me paga!!

Sem mais, ela baixa as calças na minha frente e pressiona a bunda contra mim. Vocês não imaginam a saudade que eu estava dessa bunda! Não resisto a tentação de dar um tapa.

- Pára, alguém vai ouvir!!

É tanto tesão acumulado que tenho a impressão que vou ter uma ejaculação precoce pela primeira vez na vida. Tiro a minha rola pra fora e pressiono a entrada.

- Pera aí, Mau! É mais em baixo! Tu tá quase arrombando o meu cu!

Ela pega da minha pica e posiciona nas portas da bucetinha. Tenho que me agachar um pouco para conseguir entrar. Ela inclina o corpo todo pra frente apoiando a cintura no parapeito. Eu seguro firme a cintura dela e meto com vontade, com toda vontade reprimida nas últimas semanas. Ela tenta gemer baixinho, mas não consegue. Ainda bem que não tem ninguém por perto. Ela rebola na minha frente, geme, pede para eu agarrar seus cabelos e puxar com força. Ora, por que não? Cada vez que meu corpo se choca contra o dela uma onda de choque atravessa aquela bunda e um som parecido com o de uma palmada é emitido. Ela segura firme no parapeito e quando eu me canso de entrar e sair ela continua o movimento para o prazer não parar. Seus gemidos vão ficando cada vez mais altos à medida que ela esquece que está no campus. O tesão é tão forte que nada mais importa no momento.

- Ai, Mau! Ahhh! Alii! - isso é típico dela. Depois que ela goza ela quer parar mas não sabe dizer isso para mim.

De repente meu cacete libera toda a porta acumulada das últimas semanas. São jatos e mais jatos dentro daquela menina. É tão intenso que dá uma fraqueza quando termina.

Quando acaba, nós colocamos nossas calças de volta. Ela se vira para mim, me abraça e diz baixinho:

- Te amo, Mau!!

Assim que ela termina de falar a luz de uma lanterna nos ilumina. É o guarda da universidade querendo saber se está tudo bem. Ele nos informa que é melhor a gente correr para a parada, porque os últimos ônibus partem em seguida e depois só amanhã de manhã.


Este conto recebeu 6 estrelas.
Incentive Mau Doce a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
26/03/2020 15:21:31
Pensei que era uma coisa é acaba sendo outra ķkkk

Online porn video at mobile phone


rabaonegroloira da bundona deitada e homem porcima noxvideoempresários do pau grande transando com homens mais lindo do mundo e musculosos e gostosos na pisina mete o pau grande que sai sangue misturado com gala gostosaswww.xvideos- gaysinho gosta de chupar seu peniz comprido e mole chupa para passar o tempo chupando seu penis igual um bambu gigante.comBaixinhas tesudas d 4contos erótico menininho na faxinaXVídeos todo ensebado de sabonetevideo porno butei no cu dela e rla gritpu dizedno que ia cagarxvideos negueo dotado comendo bebadasMamando o caralho do vovo contoseroticosvidios posta do nainternete mule de xortiu kurtomeu tio aproveitouse de mim juliana de bonanca fudendo pornoconto - ela tomou o primeiro golinho de porra da vidacomo daesem doer a bucetaquem quebrou meu cabaço foi meu paiSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhaxvvideo primo tocando puiheta é prima dafudendo a vizinha que emprestei o dinheironsesto edtrupou a mae q estava no celular samba pornobotei gozei tirei gozei soquei gozeiprofessora gostosa da etec contos eroticospornodoido gratis quebrado um cabaço cabiludinhapadrasto comendo a novinha dentro da sua casa me amarrotapinto na bucetado novinho enfiando so a pontinha depois com força depois uma bela chupada na cabeca do pintocomtos eroticos de mulheris que gostom de dar o cuporno nao guentou etentou fugir gigencontos eiroticos leilapornai painho tor gozandoSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhacontos eróticos mãe rabuda que não usa calcinha dirigindo e alisando a buceta lisinhacontos eiroticos leilapornnovinho do cuzinho virgem contos eroticosquiz da a bucetinha com 10 aninhos pra mim com 51 anos meti com vontade contosbolo de pica no cu de GabiBoy n************ a b***** bem devagarzinho e acaba comendo ela peidando e olhando para trásconto chupando uma rola fedidaloiras gordas da bocetona grande e peitos muchos chorando pra nao da o cuconto erotico perfurando o cu da magrelacarente abraçadinha no sexo pornoconto erotico mexeram comigo na ruaconto sexo macho demora gozar gozada fartaespiritual com.net padrasto contos eróticosSo video de 5 minutos porno buceta e rolas de 16centimetrotia tira vigindsde fo subrih do pau prquenppapel tarado arregaçou o cu da neguinha na marramoto epinado vogino da viaturaassisti video novinha perd o cabaco cm seu cachorro d piti bull d istimacaocontos eroticos de putas e putoshomens maduros de barba peladospornodoid xxxxxxconto erotico gay vovo deu leite pro netinhomulher pega marido dando pra entiado video caseirogeyno swing marido nao permite que metam na esposaPorno idora com boca e cu cheios de esporragordinha bem feitinha abrindo a buceta pra o namorado chupar milton xvideo obiquine dcontos eroticos meninas de vinte dois anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinhos vermelhox video pornor vovo costureira casada g qostar d jovenscontos eroticos. bi femininoxvideo gratis nao nao para to com dor de barria esse pau muito grande no meu cycontos eroticos aprendendo a dirigirbaixar vidios de menina virgens sendo descabasada chorandocorno chama andarillo para comer sua muller pornomulher mostrando a bunda com Arturzinho Só de shortNxnn coroa agarrda numo pau de 25cmcontos eroticos papai e mamae me fez mulhermeu namorado roubou a calcinha da minha mae conto eroticocristiane dado abusrtafioterra madurosxvideoorgia na casa de swing mulheres enfiando a b***** nas ruas por trás das paredesfotos vizinnha ficou com cuzinho lamecado d porraas coxas da minha mâe contos eroticoshomnes esibindo seu pauzao no sanba cansao pornodoidocontos.cheirando causinhaestourada pelo amigo pintudo do meu marido ser ele saber contos eroticosvideos porno insetos entre filho fodendo mae prensadaVirei travestpegando cachorro na rua pra praticar zoofiliabucetad gtandes de velhgraciliana mulher do belo fudendo xvideos